Dado Ruvic/Reuters
Dado Ruvic/Reuters

Uefa denuncia jogador por tatuagem de padre sérvio acusado de apoiar nazistas na Segunda Guerra

Segundo a entidade, zagueiro bósnio Ognjen Vranjes, do AEK Atenas, exibiu desenho no braço direito durante a vitória sobre o Velez pela Conference League

Redação, Estadão Contreúdo

29 de setembro de 2021 | 14h49

A Uefa denunciou nesta quarta-feira o zagueiro bósnio Ognjen Vranjes por conta de uma tatuagem. O jogador do AEK Atenas, que disputa a estreante Conference League, exibe no braço direito o rosto de um padre ortodoxo sérvio acusado de crimes de guerra e de apoio aos fascistas e nazistas durante a Segunda Guerra Mundial.

De acordo com a entidade que rege o futebol europeu, a tatuagem é "controversa". Sem dar detalhes sobre a denúncia, a Uefa disse apenas que o jogador exibiu a imagem na vitória por 1 a 0 do AEK sobre o Velez, pela nova competição de clubes da Europa, em julho. E não informou quais punições o atleta poderá vir a sofrer.

O atleta bósnio, de 31 anos, tem histórico polêmico dentro de campo. Conhecido por provocações aos rivais, ele também exibe uma tatuagem em referência à torcida organizada mais radical do AEK. Fora dos gramados, já fez posts considerados ofensivos pela federação grega de futebol nas redes sociais.

Entre outras decisões anunciadas pela Uefa nesta quarta, o Porto foi multado em 72.000 euros (cerca de R$ 500 mil) por "conduta imprópria" e atraso no início do jogo contra o Atlético de Madrid, pela fase de grupos da Liga dos Campeões.

E o Tottenham, que disputa a Conference, recebeu advertência por violar os regulamentos de equipamentos com as luvas do goleiro quando enfrente o Rennes.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.