Uefa julga a Inter nesta sexta

A Inter será punida nesta sexta-feira pelo comitê de controle disciplinar da Uefa, que se reunirá à tarde, em Nyon, Suíça. Na Itália, não há a menor dúvida de que o clube de Milão sofrerá uma grave sanção pelos incidentes ocorridos no Estádio San Siro durante o clássico com o Milan, pelas quartas-de-final da Liga dos Campeões, que acabou suspenso. E autoridades do governo e do futebol italiano decretaram ontem "tolerância zero" com a violência nos estádios.Membros da Uefa não anteciparam o grau da punição que a Inter estaria sujeita, mas o clube deve levar uma multa pesada, jogar com portões fechados, sem torcida - e, mais grave, ser afastada das copas européias por um ano ou mais. Pesam contra a Inter as imagens dos incidentes e as declarações do árbitro alemão Markus Merk, que apitou e suspendeu o clássico quando o Milan vencia por 1 a 0. "Tratava-se de uma ação totalmente dirigida para interromper a partida", disse Merk.Massimo Moratti, patrono da Inter, tem opinião contrária à do árbitro alemão. "Posso estar errado, mas não acho que foi assim. Não acho que o comportamento dos torcedores tenha sido premeditado. Talvez os sinalizadores fossem para festejar o sonho da classificação", disse Moratti, que reafirmou sua vontade de continuar à frente do clube.Moratti acrescentou que as investigações têm de ser rigorosas. A polícia, depois de prender quatro torcedores na quarta-feira, continua atrás de outros desordeiros.Dos quatro detidos, um já sabe sua punição. Trata-se de um torcedor de 21 anos, encanador, residente em Lodi. Um juiz de Milão decidiu que esse jovem está proibido de entrar nos estádios nos próximos três anos. Durante esse período, deve apresentar-se a um posto de polícia, no horário do jogo. O torcedor também será processado.A decisão do juiz é apenas um passo nas medidas que a Itália começa aplicar contra a violência. Nesta quinta-feira, autoridades do governo e dirigentes do futebol adotarão a "tolerância zero" nos estádios já a partir dos jogos deste sábado.O ministro italiano do Interior, Giuseppe Pisanu, deu aval às providências adotadas pelo presidente da Federação Italiana de Futebol, Franco Carraro, com apoio do Comitê Olímpico Italiano e o chefe da Polícia, Gianni De Gennaro.A tolerância zero, avisam as autoridades, prevê paralisação dos jogos ao menor distúrbio. "Vamos fechar os estádios. Não permitiremos também que jogos sejam disputados em estádios de alto risco", disse o ministro Giuseppe Pisanu, que seguiu as recomendações de Silvio Berlusconi, primeiro-ministro da Itália e patrono do Milan.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.