Divulgação
Divulgação

Uefa nega recurso de federações e vê Junior Moraes legal para defender Ucrânia

Atacante entrou em campo contra Portugal e Luxemburgo, pelas Eliminatórias da Eurocopa de 2020

Redação, Estadão Conteúdo

03 de maio de 2019 | 17h43

A Uefa anunciou nesta sexta-feira que rechaçou as reclamações de Portugal e Luxemburgo contra a suposta escalação irregular pela seleção da Ucrânia do atacante brasileiro Junior Moraes nas partidas contra essas equipes válidas pelas Eliminatórias da Eurocopa de 2020.

A entidade gestora do futebol europeu informou que sua comissão disciplinar rechaçou os recursos apresentados por ambas federações nacionais que enfrentaram a Ucrânia em compromissos disputados me março. A seleção ucraniana lidera o grupo do torneio classificatório após empatar por 0 a 0 com Portugal e vencer Luxemburgo por 3 a 1, ambos como visitante.

Caso a Ucrânia fosse punida, com a Uefa determinando que Junior Moraes não poderia ter entrado em campo, a seleção perderia os pontos de ambas as partidas, que seriam declaradas como derrotas por 3 a 0.

Junior Moraes teve a sua naturalização esportiva concluída neste ano para defender a Ucrânia, país onde jogou a maior parte das últimas sete temporadas, sendo que defende atualmente o Shakhtar Donetsk.

A Fifa permite que jogadores alterem a nacionalidade se estiverem radicados em um país durante cinco anos consecutivos. As federações alegavam que em 2017 o atacante brasileiro atuou por alguns meses cedido por empréstimo pelo chinês Tianjin Quanjian.

Formado nas divisões de base do Santos, Junior Moraes foi campeão paulista pelo clube em 2007. O atacante está fora do futebol brasileiro desde 2010.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.