Alessandro Garofalo / Reuters
Alessandro Garofalo / Reuters

Uefa pode punir Milan por conta de gastos excessivos

Entidade também investiga venda do clube para investidor chinês

ANSA

22 Novembro 2017 | 12h06

A Uefa pediu informações para o Milan após suspeitas de que o clube italiano não esteja cumprindo as regras do chamado "fair play financeiro", informou o jornal espanhol Marca nesta terça-feira (21). Caso seja considerado culpado, o Milan poderá ser excluído da Liga Europa nesta temporada, além de receber pesadas multas.

+ Napoli bate o Milan com ajuda do árbitro de vídeo e abre vantagem na liderança

+ Milan empata sem gols e segura liderança do Grupo D da Liga Europa

A entidade que rege o futebol na Europa passou a acompanhar a situação do clube após os mais de 200 milhões de euros gastos na última janela de transferências. De acordo com a publicação, as operações do time são "suspeitas", e a desconfiança fez com que a Uefa pedisse ao Milan os documentos financeiros dessas transações. Além disso, a entidade europeia também estaria investigando o processo de venda do Milan ao investidor chinês Li Yonghong, em uma operação que custou 740 milhões de euros. O ex-presidente do clube rossonero Silvio Berlusconi explicou no Twitter que os "chineses cumpriram os seus compromissos" durante a transação. 

"Para ceder o Milan, a Fininvest [holding da família Berlusconi] confiou em investidores, estúdios legais e bancos de nível internacional. Os compradores chineses sempre respeitaram pontualmente os compromissos firmados e um fundo importante como o Elliott confirmou que poderia garantir um empréstimo importantíssimo", escreveu o ex-dono do clube.

Para evitar alguma sanção, o conselheiro geral da equipe italiana, Marco Fassone, esteve na sede da Uefa há cerca de duas semanas para esclarecer os gastos do Milan na janela de transferências. O comitê disciplinar da Uefa deverá se reunir para estudar se o clube merece sofrer alguma punição em breve.

Além do Milan, o Paris Saint-Germain (PSG) é outro que está sendo investigado pela Uefa por não cumprir o seu fair-play financeiro, uma série de compromissos financeiros dos times europeus que, resumidamente, impedem que um clube gaste mais do que arrecada. A equipe francesa gastou mais de 240 milhões de euros nas contratações de Neymar e Kylian Mbappé. / ANSA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.