Uefa processará dirigente por acusação de corrupção

A Uefa revelou nesta quinta-feira que prepara uma ação judicial contra um ex-dirigente da Associação Cipriota de Futebol. Ele afirmou que a escolha de Ucrânia e Polônia como sedes da Eurocopa de 2012 ocorreu de modo corrupto. A entidade confirmou que vai agir contra Spyros Marangos porque ele perdeu o prazo, que era até quarta-feira, para apresentar qualquer prova das suas acusações.

AE, Agência Estado

28 de outubro de 2010 | 12h23

Marangos disse a um jornal alemão que os dirigentes ds Uefa "venderam" a sede do torneio por 11 milhões de euros em 2007. Os países derrotaram a favorita Itália por 8 a 4 em uma votação dos membros do Comitê Executivo da Uefa. A entidade disse que Marangos rejeitou repetidas solicitações para apresentar um depoimento e explicou ainda não ter preparado uma processo contra o jornal.

Dirigente da Polônia e da Ucrânia negaram as acusações de Marangos, enquanto as autoridades do futebol do Chipre e da Itália também garantem não ter qualquer prova das acusações. Presidente da Federação Italiana de Futebol, Giancarlo Abete, disse que

tinha plena confiança na Uefa.

A Itália também estava representada no Comité Executivo da Uefa quando da eleição, embora Franco Carraro não tenha votado por conta de regras de conflito de interesse. "Vamos esperar que este caso feio termine rapidamente", disse Abete, que pertence ao Comitê Executivo da Uefa desde março de 2009. "Eu tenho certeza de que não conseguirá provar suas acusações e é justo que ele seja processado pelas dúvidas levantou".

Tudo o que sabemos sobre:
futebolEurocopaUefaprocesso

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.