Miguel Medina/AFP
Miguel Medina/AFP

Uefa rejeita tentativa de acordo do Milan sobre Fair Play Financeiro

Entidade europeia abriu um inquérito diante da alta quantia gasta pelo clube na última janela de transferências

Estadão Conteúdo

15 de dezembro de 2017 | 20h50

A Uefa anunciou nesta sexta-feira que rejeitou a tentativa de acordo proposta pelo Milan para tentar encerrar as investigações de Fair Play Financeiro das quais o clube é alvo. A entidade europeia abriu um inquérito diante da alta quantia gasta pela equipe Rossonera na última janela para transferências.

+ Milan passa fácil pelo Verona e vai pegar a Inter na Copa da Itália

Há uma semana, o Milan se declarou disponível para um "acordo final" com a Uefa em comunicado oficial. Nesta sexta, porém, a tentativa foi rechaçada pela entidade. "Após uma examinação cuidadosa de toda a documentação e explicações providas, decidimos não concluir um acordo voluntário", explicou.

A diretoria milanesa gastou mais de 200 milhões de euros em contratações para esta temporada, o que levantou suspeitas sobre a estabilidade financeira do clube e do consórcio chinês que o adquiriu em abril. De acordo com o Fair Play Financeiro da Uefa, os times precisam comprovar que têm a capacidade de bancar seus gastos através da receita gerada pelo próprio clube.

O problema é que o Milan teve perdas de cerca de 255 milhões de euros nos últimos três anos e, inclusive, recorreu a um fundo privado norte-americano para pedir um empréstimo de 300 milhões de euros. O CEO do clube, Marco Fassone, prometeu encerrar esta dívida até abril.

Se a investigação da Uefa comprovar que o Milan quebrou as regras do Fair Play Financeiro, o clube sofrerá punições que podem incluir a implantação de um limite para gastos na compra de jogadores e no pagamento de salários.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.