Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE
Pedro Ernesto Guerra Azevedo/Santos FC
Pedro Ernesto Guerra Azevedo/Santos FC

'Um alerta para fazer diferente', diz Cuca sobre próximos jogos do Santos

Técnico afirma não haver motivo para inquietação após sofrer virada para o Goiás na Vila Belmiro

Redação, O Estado de S.Paulo

25 de janeiro de 2021 | 05h00

O treinador Cuca deu entrevista coletiva após o jogo do Santos contra o Goiás, pela 32.ª rodada do Campeonato Brasileiro. A partida terminou em derrota da equipe por 4 a 3 e levantou preocupações em relação aos próximos duelos, em especial a final da Copa Libertadores, no próximo sábado, contra o Palmeiras, no estádio do Maracanã, no Rio de Janeiro.

Cuca se disse "muito tranquilo, muito consciente" e negou haver motivo para inquietação, pois a derrota teve o condão de expor quais falhas o time tem e o que deve ser trabalhado ao longo da semana. "Eu sei, às vezes, que uma derrota, por pior que ela seja, ela tem um significado melhor do que uma má vitória. Então eu vou poder trabalhar coisas, que certamente uma vitória não me deixaria trabalhar", garantiu.

Ainda atribuindo a derrota às falhas próprias, o técnico prosseguiu: "Eu vou ter que ser mais humilde ainda, eu, durante a semana e tirar deles o máximo, coisa que de repente uma vitória não dá. Então, eu só tenho a agradecer a Deus por esse momento que a gente tá vivendo hoje que, de repente, é um alerta para que a gente faça as coisas diferentes. E a gente vai fazer".

Entretanto, ao ser perguntado se a derrota alteraria algo em relação ao planejamento para o próximo confronto, contra o Atlético-MG, nesta terça-feira, em Belo Horizonte, Cuca foi categórico. "Não, não muda nada". Sobre a ansiedade após o mau resultado, o treinador afirmou que a derrota colocará mais força na preparação para a final da Libertadores.

Em questões técnicas, Cuca foi categórico ao afirmar que "a busca pelo meia armador é uma busca que a gente tem tido durante toda a temporada. Marinho fez isso junto com Kaio (Jorge) na primeira etapa e na segunda não fez, jogou mais aberto, são todas lições que a gente tira para o futuro".

Ainda, ao ser perguntado sobre a possibilidade de o meio de campo do Palmeiras, que se apresenta sempre com quatro jogadores, o influenciar para escolher iniciar a partida com quatro atacantes no campo, foi objetivo: "Pode, por isso a gente vai estudar bem tudo, tudo pode".

O treinador concluiu afirmando: "Sábado que vem tenho que ter um dia perfeito para ter uma chance de ser campeão e é o que a gente tenta fazer".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.