Divulgação/ Florida Cup
Divulgação/ Florida Cup

Dois anos depois, São Paulo reencontra David Neres em alta no Ajax

Cria da base tricolor, atacante se adapta bem ao futebol europeu e é alvo de proposta milionária da China

Renan Cacioli, O Estado de S. Paulo

12 de janeiro de 2019 | 11h00

No dia 30 de janeiro de 2017, o São Paulo aceitava uma proposta de R$ 50 milhões do Ajax pelo jovem atacante David Neres, então com 19 anos. Era o primeiro de uma leva de craques "made in Cotia", como o clube costuma rotular suas crias da base, que acabariam negociados ao longo daquela temporada. Neste sábado, os dois lados vão se reencontrar no duelo entre brasileiros e holandeses, às 16h (de Brasília), pela Florida Cup.

Dois anos mais velho, o jogador vive momento em que é especulado pelo mercado chinês. Uma proposta que rechearia até os cofres são-paulinos, ainda detentor de uma fatia dos direitos do atleta, é esperada no clube de Amsterdã, que no fim do ano passado renovou seu contrato até junho de 2022. 

Assim que desembarcou na Holanda, Neres foi utilizado no time B do Ajax, mas não demorou a mostrar que tinha potencial para ir além. Na última temporada europeia, marcou 14 gols em 37 jogos. Na atual, fez quatro em 28 e vai disputar as oitavas de final da Liga dos Campeões, contra o Real Madrid, nos dias 13 de fevereiro e 5 de março. Isto, é claro, se já não tiver sido vendido até lá.

Destaque da base são-paulina, o atacante foi promovido ao profissional em 2016, após ter disputado a Copa São Paulo Júnior. Virou titular na reta final do Brasileirão daquele ano. Acumula ainda passagens pelas seleções de base do Brasil. Nesta semana, ele falou a respeito do reencontro com os ex-companheiros de clube.

"Será uma emoção muito grande. Quando eu saí do São Paulo, era tudo muito novo pra mim, essa vida de profissional. Eu fiquei muito pouco tempo, era um garoto. Agora eu sou mais maduro, apesar de ainda ser jovem, mas estou com mais experiência, com mais jogos no profissional. Acho que essa é a diferença, estou mais adaptado a essa vida de profissional."

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.