Um dia de festa para os são-paulinos

São Paulo parou nesta terça-feira para acompanhar a chegada dos mais novos campeões mundiais. Por cerca de 10 horas, milhares de pessoas recepcionaram a delegação são-paulina, que voltou para casa depois de conquistar o título no Japão, no último domingo. Algumas das principais avenidas e ruas da cidade foram tomadas pelos torcedores, numa das maiores festas do futebol brasileiro de todos os tempos.?É o momento mais feliz de nossas vidas?, admitiu o goleiro Rogério Ceni, o maior destaque do São Paulo na conquista do tricampeonato mundial. O capitão assumiu o papel de interlocutor desde a chegada da delegação no Aeroporto de Cumbica, às 6h35 desta terça-feira. Ainda no avião da Lufthansa, ele acenou para a torcida com a bandeira do clube pela janela da cabine do piloto.Cerca de 6 mil são-paulinos foram ao aeroporto para receber seus heróis. Uma alegria para os ambulantes, que venderam quase todos os seus produtos. Faixas, camisas e gorros de Papai Noel foram rapidamente consumidos pelos torcedores, que chegavam de bicicletas, motos, carros. Tudo valia para ver o time campeão.Carreata - Às 7h09, o trio elétrico iniciou seu trajeto até o Morumbi. Devidamente protegido por seguranças e batedores da Polícia Militar, que impediam a aproximação dos torcedores e também evitavam acidentes. O setor 3 do Aeroporto de Cumbica se transformou em uma arquibancada. Rogério Ceni, Amoroso, Lugano e Mineiro eram os mais ovacionados pelos entusiasmados fãs, que não se cansavam de cantar o hino do clube.Ao som de Ivete Sangalo, Jota Quest, Nando Reis, Skank, os jogadores mostraram bom preparo físico durante toda a carreata, após as mais de 30 horas de viagem. Somente o técnico Paulo Autuori não apresentou tanta animação. O trajeto foi acompanhado de perto pelos torcedores, desde a via Dutra, passando pela Marginal do Tietê, o centro da cidade, a Prefeitura, o Palácio do Governo e chegando ao Estádio do Morumbi.A PM e o CET fizeram um esquema especial para privilegiar a passagem da carreata são-paulina, mas não conseguiram impedir o grande aumento do trânsito da cidade, que registrou congestionamento três vezes maior que o normal em alguns horários.Rogério Ceni cantou, gritou, pulou e terminou rouco. ?Motorista, pelo amor de Deus, acelera?, disse o goleiro, muito cansado, já na Avenida Morumbi por volta das 16 horas. Outro bastante animado foi Lugano. ?Muchas gracías, Mineirinho?, cantou o zagueiro uruguaio, por várias vezes, agradecendo o autor do gol do título, o volante Mineiro.Riscos - O microfone também serviu como alerta para todos no trio elétrico por causa das passagens embaixo dos viadutos durante o trajeto. Jogadores, dirigentes, jornalistas e até o presidente do clube, Marcelo Portugal Gouvêa, precisaram ficar quase deitados no chão do veículo para não serem atingidos. Um fio de telefone instalado na Avenida 23 de Maio chegou a atingir um cinegrafista da Rede TV!, que deixou a câmera cair.Às 17 horas, os jogadores chegaram ao Morumbi, onde mais de 15 mil torcedores esperavam ansiosos, muitos desde o meio-dia, horário previsto inicialmente para a recepção dos ídolos. Visivelmente cansados, os jogadores participaram de uma rápida e desorganizada entrevista coletiva no gramado, deram apenas meia volta olímpica e, após menos de 20 minutos de festa no estádio, foram embora. Uma grande parte dos torcedores, decepcionada por não poder ver de perto o troféu conquistado no Japão, vaiou seus ídolos. ?São Paulo, cadê você? Eu vim aqui só para te ver?, chegaram a gritar. Mas a frustração foi rapidamente esquecida e o hino do clube acabou sendo cantado mais uma vez, fechando com chave de ouro um dia de festa para os são-paulinos. Veja o especial do Mundial de Clubes da Fifa e relembre a conquista do São Paulo

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.