Divulgação
Divulgação

Um 'quartel-general' artístico e exclusivo para a seleção brasileira

Hotel do Brasil nos EUA foi indicação de Klinsmann

Almir Leite e Gonçalo Junior, Enviados especiais a Los Angeles

24 de maio de 2016 | 05h00

O hotel Belamar, local de concentração da seleção brasileira em Los Angeles, na fase inicial da preparação para a Copa América, foi uma indicação de Jürgen Klinsmann, técnico da seleção norte-americana. O alemão já se concentrou lá algumas vezes com sua equipe, mas, por causa da tabela do torneio continental, escolheu outro lugar e deu a dica para a seleção brasileira.

Além dessa referência, o local com 127 quartos e sete suítes tem características importantes para o técnico Dunga: a privacidade e a tranquilidade. Os jogadores podem ficar isolados, com pouco - ou nenhum - contato com a imprensa. A comissão técnica vetou a hospedagem de jornalistas no Belamar durante a Copa América. Quem não é hospede não chega nem perto do saguão de entrada. Não foram vistos torcedores tentando autógrafos ou selfies, situação comum em outros hotéis. Nenhum funcionário quis comentar a passagem da seleção brasileira e disse apenas que o local é "exclusivo". 

Localizado em Manhattan Beach, umas das regiões mais sofisticadas de Los Angeles, o Belamar é um hotel boutique, ou seja, aposta na decoração diferenciada, quase artística, para criar um ambiente mais acolhedor. Membros da comissão técnica acharam o local "bem moderno". É o endereço certo para encontrar artistas e gente descolada. Fica ao lado do Manhattan Village, shopping premium da região. Tudo isso naturalmente tem um preço, mais precisamente entre R$ 800,00 e R$ 1200, o valor médio das diárias. 

A escolha do quartel-general da seleção nos torneios internacionais é uma tarefa feita diretamente pelo coordenador de seleções Gilmar Rinaldi. Na última Copa América, no Chile, o Brasil iniciou sua preparação na cidade de Temuco e ficou hospedada no Dreams, hotel cinco estrelas e também o principal cassino da região - no Chile, eles são permitidos. O cassino ficou aberto durante a passagem da equipe - os jogadores não foram até lá. A única recomendação feita pela comissão técnica do Brasil - e atendida pelo hotel - foi o fechamento de uma discoteca, que também funcionava no local, durante o período de concentração. 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.