União culpa Lei Pelé pelo rebaixamento

Rebaixado para a Série C do Campeonato Brasileiro do próximo ano, a diretoria do União São João começa a encontrar os culpados pelo vexame alcançado na temporada. Segundo o presidente do primeiro clube empresa do País, José Mário Pavan, o time acabou sendo prejudicado pela Lei Pelé. Ele acha que foi penalizado por sua postura contra a atuação de empresários e procuradores que dominam o futebol profissional. ?Não aceitei imposição de ninguém, nem fiz parceria com empresários como fizeram os grandes clubes. O Corinthians, por exemplo, faz isso com quase todos seus jogadores." Sem estes acordos, o União São João capenga desde o ano passado, quando quase caiu para a Série C, seguindo o mesmo caminho de outros clubes paulistas: Bragantino, XV de Piracicaba e Botafogo. Desde então o time entrou na onda de atrasos de salários, perdeu força no trabalho de base e ficou sem investir no time para esta temporada. A campanha na Série B foi fraquíssima: em 22 jogos perdeu 14, venceu quatro e empatou quatro. Teve o pior ataque, com 21 gols, e a terceira pior defesa, com 41 gols, atrás apenas de Anapolina e Mogi Mirim que sofreram um gol a mais. Na época de ouro, o União revelou muitos craques, o mais famoso foi Roberto Carlos, lateral do Real Madrid e da seleção brasileira. Alexandre, meia do Atlético-MG, Rogério, lateral do Corinthians, e Vágner, ex-volante do São Paulo e que atua na Espanha, são outros exemplos. O União volta a campo sábado, às 16 horas, para enfrentar o Paulista. Enquanto o time de Araras apenas cumpre tabela, o de Jundiaí precisa da vitória para tentar uma vaga na fase final do Campeonato Brasileiro da Série B.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.