União é a arma do Etti Jundiaí

A união dos jogadores é a principal arma do Etti Jundiaí para enfrentar, em condições iguais, o Corinthians, neste domingo, às 17h00, no estádio Barão da Serra Negra, em Piracicaba. A missão do time dirigido por Giba é somar pontos dentro do Torneio Rio-São Paulo, onde ainda não definiu seu objetivo que está entre lutar contra o rebaixamento ou brigar pela classificação à outra fase.De momento, o técnico Giba faz o que pode. Orienta e tranqüiliza seus jogadores, mas ao mesmo tempo exige respeito e coragem. "Quem não suporta pressão, então não pode ser jogador de futebol. Nosso grupo está bem consciente disso", comentou o técnico que ainda não poderá escalar seus dois novos reforços, os meias Jackson, ex-Internacional-RS, e Bechara, ex-São Caetano. Os dois só devem ter condições de jogo contra o Vasco da Gama, na outra rodada. Desta forma, Giba preferiu manter a mesma formação que venceu o Bangu, por 4 a 2, chegando aos quatro pontos.Mesmo sendo considerado azarão, o Jundiaí acredita que pode equilibrar as ações com o adversário. "Precisamos ter muita atenção na marcação e determinação para ir ao ataque nos momentos certos", receita o meio-campista Vágner Mancini, o mais experiente do grupo. O fato do jogo ser disputado em Piracicaba, teoricamente, significa neutralidade no mando de jogo, que é do Corinthians. O time paulistano só não atua na capital por exigência da Polícia Militar, que não aceita policiar dois jogos no mesmo dia na capital. Neste domingo, o São Paulo enfrenta o Fluminense.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.