Rafael Ribeiro/Vasco
Rafael Ribeiro/Vasco

Único carioca a vencer na arena palmeirense, Vasco busca manter boa fase

Em 8 de novembro de 2015, o Vasco derrotou por 2 a 0 um time misto do Palmeiras, que à época se preparava para disputar a final da Copa do Brasil

Redação, Estadão Conteúdo

27 de julho de 2019 | 13h34

Em 15º lugar na classificação do Campeonato Brasileiro e em recuperação após um começo ruim na competição, o Vasco pretende se aproveitar do momento irregular do líder Palmeiras para conseguir a sua quarta vitória nos últimos cinco jogos neste sábado, às 17h, no Allianz Parque.

Aliado a isso, o clube de São Januário leva a São Paulo o retrospecto de ser o único time carioca a bater o rival paulista em sua mais recente casa, inaugurada no fim de 2014. Em 8 de novembro de 2015, o Vasco derrotou por 2 a 0 um time misto do Palmeiras, que à época se preparava para disputar a final da Copa do Brasil. Nem Flamengo, tampouco Botafogo ou Fluminense repetiram o feito.

Para o goleiro Fernando Miguel, entretanto, o fato não serve como elemento de motivação para o compromisso pela 12ª rodada do Brasileirão. "São dados e, dentro do contexto dessa história que se criou no estádio do Palmeiras, é algo relevante, mas não podemos nos apegar a isso. Precisamos nos apegar ao bom futebol, à competitividade, em ser uma equipe agressiva, atenta e ligada naquilo que precisamos fazer. É um ano novo, uma história nova, e vamos buscar essa vitória", comentou o camisa 1 vascaíno.

Mesmo sendo o único remanescente do encontro de 2015, o lateral-esquerdo Henrique também se diz focado no atual momento e, mesmo com o adversário vivendo um jejum de quatro vitórias, o atleta lembra que a atenção vascaína não pode ser menor. "Sabemos que eles vêm de tropeços, mas trata-se de uma grande equipe, com grandes jogadores. Do nosso lado também temos um grande time, de muita dedicação, e temos que impor o ritmo de jogo que temos conseguido colocar", comentou o defensor, que esteve no banco de reservas em 2015.

Fernando Miguel e Henrique mostram confiança nas três vitórias obtidas pela equipe nos últimos quatro compromissos pelo Nacional, desempenho que levou a equipe aos 12 pontos.

Depois de ficar as primeiras sete rodadas sem saber o que era vencer, a equipe, que passou a ser comandada por Vanderlei Luxemburgo em maio, bateu Internacional (2 a 1), Ceará (1 a 0) e Fluminense (2 a 1) e só caiu diante do Grêmio em Porto Alegre (2 a 1).

Para o compromisso deste sábado, o desfalque será novamente o atacante Rossi. Ele, que cumprira suspensão na rodada anterior, passou por uma cirurgia de apendicite na última quarta-feira. Assim, o atacante deve dar lugar ao meia Bruno César, que pode jogar improvisado no ataque ao lado de Marrony e Valdívia. A outra opção de Luxemburgo para o setor é Yan Sasse.

No restante da equipe, em relação à escalação que entrou em campo na vitória contra o Fluminense em São Januário, a outra única mudança será a volta de Fernando Miguel, que perdeu a partida passada devido a uma virose, no lugar de Sidão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.