FE/EPA/YURI KOCHETKOV
FE/EPA/YURI KOCHETKOV

Único treinador negro da Copa, Aliou Cisse exalta vitória de Senegal na estreia

Elogiado dentro e fora de campo, técnico diz ter orgulho de representar o continente africano

Estadao Conteudo

19 Junho 2018 | 15h54

Único treinador negro entre as 32 seleções da Copa do Mundo da Rússia, Aliou Cisse exaltou a vitória de Senegal diante da Polônia, nesta terça-feira, no Spartak Stadium, em Moscou, a primeira de uma seleção africana nesta edição do torneio. O treinador disse que tem o apoio de toda a África.

+ Senegal bate Polônia e conquista a primeira vitória africana na Copa

+ TEMPO REAL: Polônia 1 x 2 Senegal

"Eu garanto que toda a África está nos apoiando. Eu recebo telefonemas de todos os lugares. Temos orgulho de representar a África", disse Aliou Cisse, cuja história se confunde com a da seleção senegalesa.

Aliou Cisse foi capitão da equipe que fez campanha histórica em 2002 ao vencer na estreia a França, atual campeã à época, e chegar às quartas de finais do torneio. Agora, comanda os senegaleses na segunda participação deles em Mundiais e surpreendeu outra seleção europeia.

"Nós tivemos o jogo dominado, jogamos melhor. Conseguimos controlar o jogo taticamente e emocionalmente. Essa vitória significa que entramos na competição da melhor maneira possível", disse. "Mas sabemos que será uma partida difícil contra o Japão", acrescentou o técnico mais jovem da competição, com 42 anos.

 

Aliou Cisse está no comando senegalês desde 2015. Apesar de conduzir o time de seu país à classificação à Copa da Rússia, ele recebeu algumas críticas e é taxado de retranqueiro pelo seu estilo pragmático. "Eu represento uma nova geração, uma geração que quer marcar seu nome no futebol africano e mundial", comentou.

Empolgados pela estreia vitoriosa, a seleção de Senegal volta a campo neste domingo, às 12 horas (de Brasília), quando enfrenta o Japão, em Ecaterimburgo, no duelo dos líderes do Grupo H.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.