Sergio Perez/Reuters
Sergio Perez/Reuters

United fará investida para repatriar Cristiano Ronaldo, diz jornal

Venda de Di María e briga com Benítez podem ser fatores decisivos

O Estado de S. Paulo

24 de julho de 2015 | 12h11

Desde que Cristiano Ronaldo deixou o Manchester United para jogar no Real Madrid, em 2009, não foi esquecido pela torcida nem nos corredores de Old Trafford. Seis anos depois, os Red Devils tentarão repatriá-lo. Pelo menos é o que garante o jornal local Manchester Evening News.

A publicação apurou que a recente discussão do português com o treinador Rafa Benítez, novo comandante do Real, reacendeu as esperanças do Manchester United de contratar o jogador. Antes da demissão de Carlo Ancelotti, Cristiano Ronaldo apoiou publicamente a permanência do italiano e a convivência com o novo técnico já começou conturbada.

Durante os treinos de pré-temporada do Real Madrid, o camisa 7 se irritou com 'erros de arbitragem' de Benítez durante um coletivo e chegou a xingá-lo em imagens que foram captadas pela televisão. O treinador espanhol, porém, preferiu colocar panos quentes na discussão. Cristiano também estaria perplexo com o tratamento dado ao goleiro Iker Casillas, ídolo merengue que foi dispensado após 25 anos de clube e estaria temendo ter o mesmo fim do arqueiro.

Liberado em 2009 pela bagatela de 94 milhões de euros (na época, R$ 256.2 milhões), a repatriação de Cristiano Ronaldo não sairia barata para o United. Por isso, o clube pretende se desfazer do ponta argentino Ángel Di Maria para fazer a investida pelo português. O clube, inclusive, já negocia o Di María com o Paris Saint-Germain, da França.

Além de Cristiano Ronaldo, especula-se que o Manchester United ainda negocia com o atacante Pedro, do Barcelona, e Thomas Müller, do Bayern de Munique, por quem o clube inglês estaria disposto a desembolsar 100 milhões de euros (mais de R$ 364 milhões). Por enquanto, já chegaram os meias Bastian Schweinsteiger e Morgan Schneiderlin, o atacante Memphis Depay e o lateral-direito Matteo Darmian.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.