Sebastião Moreira/EFE
Sebastião Moreira/EFE

Uruguai sofre para arrancar empate do Japão em jogo com decisão polêmica do VAR

Time celeste fica atrás no placar duas vezes, vê árbitro de vídeo marcar pênalti e fica no 2 a 2 na Arena Grêmio

Ricardo Magatti, especial para a AE, O Estado de S.Paulo

20 de junho de 2019 | 22h09

Enganou-se quem esperava uma goleada do Uruguai em cima do Japão na noite desta quinta-feira, na Arena do Grêmio, em duelo válido pela segunda rodada da fase de grupos da Copa América. A seleção uruguaia não teve a mesma eficiência do primeiro jogo e empatou por 2 a 2 com os asiáticos, que mostraram evolução em relação à estreia. Koji Miyoshi foi o grande destaque da partida de bom nível técnico e que opôs estratégias diferentes. Ele marcou dois gols, enquanto Luis Suárez e José Maria Giménez balançaram as redes pela equipe sul-americana, que ainda acertou o travessão duas vezes.

O empate impediu que houvesse uma definição com antecedência no Grupo C. O Uruguai foi a quatro pontos e lidera a chave, enquanto o Japão somou seu primeiro ponto e passou a ocupar o terceiro posto. No entanto, Chile, com três, e Equador, sem pontuar, ainda se enfrentam nesta sexta-feira e podem mudar o panorama da chave.

A definição, assim, ficou para a última rodada da fase inicial, a ser disputada na próxima segunda-feira, às 20 horas. O Uruguai enfrenta o Chile no Maracanã no duelo que pode valer o primeiro lugar da chave. O Japão, ainda vivo na competição, encara o Equador, no Mineirão.

O JOGO

Com oito mudanças em relação à goleada sofrida para o Chile na estreia, o Japão não foi a presa fácil da primeira rodada. O jovem time cometeu menos erros, apostou na velocidade dos seus homens de frente e começou melhor. Teve ousadia para atacar o Uruguai, que, nos primeiros minutos, insistiu demais nas jogadas pelo lado direito e demorou para engrenar.


Suárez estava bem. Destoou dos seus companheiros no início e foi quem chegou perto de abrir o marcador. Primeiro, tentou surpreender o goleiro Kawashima e quase marcou do meio de campo. Depois, recebeu cruzamento de Cavani e, livre, cabeceou em cima do arqueiro. O Japão foi letal e abriu o placar aos 24 minutos. Miyoshi, uma das caras novas do time, driblou Laxalt, que sairia lesionado pouco tempo depois, invadiu a área e bateu bonito para vencer o goleiro Muslera. O jogo, então, passou a ser ainda mais movimentado, de modo que o Uruguai se agrupou em campo e acordou.


Aos 28 minutos, Cavani caiu na área após dividida com Ueda. O jogo seguiu, mas logo depois o árbitro colombiano Andrés Rojas foi revisar o lance com o auxílio do árbitro de vídeo e assinalou a penalidade, convertida por Suárez, que marcou seu segundo gol na competição. No fim do primeiro tempo, o time sul-americano quase chegou à virada no talento de Cavani. Entretanto, o atacante do Paris Saint-Germain acertou o travessão em bonita finalização de média distância.


O segundo tempo teve ainda mais alternativas e foi mais aberto que o primeiro. No primeiro minuto, Nakajima deu belo drible e caiu após se chocar com González. O árbitro ouviu instruções do VAR e nada marcou. Os uruguaios se mandaram ao ataque com o objetivo de carimbar a passagem ao mata-mata com antecedência e ficaram perto de virar o jogo.


Suárez quase marcou em pancada de fora da área, mas foi Cavani que perdeu a grande chave da virada. O atacante do PSG, pouco acostumado a desperdiçar oportunidades, recebeu livre apenas com Kawashima à sua frente, mas chutou em cima do goleiro.


Além da falta de eficiência no ataque, também pesou contra o Uruguai os erros defensivos. Em um deles, o Japão, esperto, aproveitou para retomar a vantagem. Muslera, goleiro que mais atuou pela seleção uruguaia na história da Copa América - fez 15 jogos - falhou ao tentar segurar cruzamento da esquerda e soltou a bola no pé de Miyoshi, que estufou as redes aos 13 minutos.


A exemplo do que aconteceu na primeira etapa, o time do técnico Oscar Tabárez não demorou a buscar o empate. Ele veio sete minutos depois, a partir de cobrança de escanteio de Lodeiro, que cruzou na primeira trave, onde estava Giménez para cabecear para o gol e deixar novamente o placar igual. Depois do gol, os uruguaios passaram a dominar o jogo e soltaram a artilharia pesada em busca do triunfo, que, contudo, não veio. Houve mais uma finalização no travessão, desta vez em um cabeceio de Suárez. Não era dia de vitória uruguaia.

FICHA TÉCNICA:

URUGUAI 2 X 2 JAPÃO

URUGUAI - Muslera; Cáceres, Giménez, Godín e Laxalt (Giovanni González); Torreira, Bentancur,  Nández (Arrascaeta) e Lodeiro (Valverde); Luis Suárez e Cavani. Técnico: Óscar Tabárez.

JAPÃO - Kawashima; Iwata (Tatsuta), Itakura, N.Ueda e Tomiyasu; Sugioka, Shibasaki e Abe (A.Ueda); Miyoshi (Kubo), Nakajima e Okazaki. Técnico: Hajime Moriyasu.

GOLS - Miyoshi, aos 24, e Suárez, aos 31 minutos do primeiro tempo. Miyoshi, aos 13, e Giménez, aos 20 minutos do segundo tempo.

ÁRBITRO - Andrés Rojas (Colômbia).

CARTÕES AMARELOS - N.Ueda e Nakajima (Japão).

RENDA - R$ 6.613.630.

PÚBLICO - 33.492 pagantes (39.733 total).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.