Vadão agradece indicação de Nelsinho

O técnico Oswaldo Alvarez acordou feliz, mas ainda sob os efeitos da noite anterior, quando conquistou o título do Torneio Rio-São Paulo, o mais importante de sua carreira até agora. "A sensação é de que tomei uma surra", descreveu. Tão logo chegou ao CT do São Paulo de madrugada, pegou o carro e, com a família, seguiu direto para Mogi Mirim, no interior do Estado, sua "sede oficial" nos momentos de lazer.Foi em casa que teve tempo para saborear a vitória. Na comemoração, na noite anterior, o técnico não esqueceu de agradecer a todos os que o ajudaram a chegar a conquista, em especial ao técnico Nelsinho Batista, da Ponte Preta. Vadão lembra que o técnico do time de Campinas foi o primeiro a receber o convite para assumir o cargo vago com a saída de Levir Culpi e acabou sendo decisivo para sua contratação. "Quando o Nelsinho falou que não podia ser o técnico, ele endossou o meu nome, que já era cogitado na época, e o São Paulo acabou me contratando", lembra o treinador, ressaltando que, na ocasião, vivia um momento difícil por sido dispensado pelo Corinthians. "O Nelsinho me ajudou e dedicar o título a ele foi uma forma de retribuir a confiança que ele depositou no meu trabalho." Vadão admitiu que o jogo contra o Botafogo foi um dos mais tensos de sua carreira, especialmente depois que o adversário marcou o primeiro gol. "O time não estava mal na marcação, mas problema é que ficou muito preso ao relógio", explicou, também observando que o nervosismo do grupo ao entrar em campo era aparente. No intervalo, ao invés de uma "dura", o técnico preferiu tentar tranqüilizar a equipe. "O importante é que o time jogasse para ganhar e não só para defender. A partir do momento que o grupo entrou para jogar, as coisas melhoraram".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.