Divulgação/CBF
Divulgação/CBF

Vadão aprova testes com jovens jogadoras da seleção brasileira

Meta é renovar o time de olho na Copa América, maior objetivo em 2018.

Estadão Conteúdo

29 Novembro 2017 | 09h42

De volta ao comando da seleção brasileira feminina de futebol, desde o fim de setembro, o técnico Vadão aproveitou os últimos dois amistosos da equipe neste ano para fazer testes com jovens jogadoras. A meta é renovar o time de olho na Copa América, maior objetivo da seleção em 2018.

+ Seleção feminina de futebol derrota o Chile e fecha série de amistosos com 100%

E, ao fim do segundo e último amistoso com o Chile, na noite desta terça-feira, o treinador saiu satisfeito com o que viu em campo. "É importante observar essas meninas novas principalmente, é uma leva boa de meninas que está chegando à seleção principal. Além delas, a Mônica eu não via jogar há um tempo, a Aline estava merecendo uma oportunidade", declarou.

Os dois amistosos foram disputados no Chile. O Brasil venceu os dois, e com sobras: 4 a 0 e 3 a 0. "Foram dois bons testes. Melhoramos no segundo jogo, criamos mais. Mas ainda precisamos evoluir. É o início do trabalho. Algumas meninas já estavam de férias e chegaram praticamente para o jogo", disse o treinador.

Para Vadão, a chegada de jovens atletas à equipe é essencial porque o treinador perdeu cinco jogadoras ao fazer seu retorno ao time. Elas se aposentaram em protesto à demissão de Emily Lima, que foi substituída por Vadão.

COPA AMÉRICA

O teste no Chile também foi interessante para a comissão técnica brasileira por jogar no país que será a sede da Copa América, no próximo ano. Ainda na noite de terça-feira, treinador e jogadoras conheceram as datas da competição. Será entre 4 e 22 de abril.

O torneio será disputado em data Fifa. Ou seja, todos os clubes do mundo têm a obrigação de liberarem suas atletas para competir por suas seleções. Isso traz tranquilidade a Vadão que, em sua passagem anterior pela seleção, não pôde contar com Marta na última edição da Copa América.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.