Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Vadão sai da Ponte Preta como líder

Na despedida do técnico Oswaldo Alvarez, a Ponte Preta manteve a liderança isolada da Série A do Campeonato Brasileiro ao vencer o Fluminense, por 2 a 1, neste domingo à noite, no Estádio Moisés Lucarelli, em Campinas (SP). O time campineiro atingiu os 29 pontos, um a mais do que Internacional e Corinthians. O time carioca continua com 23 pontos, após sua terceira derrota consecutiva - antes tinha perdido para São Caetano e Atlético-PR.Os jogadores dedicaram a vitória a Vadão, que na quarta-feira embarca para o Japão, onde dirigirá o Verdy Tokyo. A torcida também gritou seu nome após o jogo. "Saio satisfeito pelos jogadores, pela diretoria e pela torcida. Deixo o time na liderança e vou, do outro lado do mundo, torcer muito pela Ponte", comentou o ponte-pretano, que ainda não tem substituto.A festa era do técnico da Ponte, mas quem se emocionou de verdade foi Abel Braga, do Fluminense, que teve seu nome gritado pela torcida, antes do jogo, em reconhecimento ao trabalho dele da temporada de 2003, quando livrou o time do rebaixamento. Braga, com lágrimas nos olhos, comentou: "É uma alegria muito grande".Mas o bom público presente ao Majestoso não teve motivos para festejar, porque o primeiro tempo foi muito ruim tecnicamente. Concentrado no meio campo e com muitas faltas, o juiz Giuliano Bozzano aplicou cinco cartões amarelos e um vermelho, para o volante Preto Casagrande, do time carioca, que deu um carrinho sobre Luciano Santos. Preto deixou o campo desconfiado: "Não sei se ele (juiz) é sempre assim, mas nesta noite ele está estranho".Vadão também levou esta vantagem para os vestiários, mas no intervalo alertou seus jogadores para evitar carrinhos e faltas, para não dar chance à famosa compensação. Mas tudo parecia correr a favor do time campineiro, que teve logo no começo a seu favor uma penalidade máxima cometida por Igor sobre Danilo. Na cobrança, Kahê deslocou o goleiro Kleber, marcando seu nono gol e também chegando na ponta da artilharia ao lado de Robson, do Paysandu, e Marcinho, do Palmeiras.Aos 10 minutos, aconteceu um fato estranho para os supersticiosos: um gato preto apareceu correndo na pista de atletismo do Majestoso, assustado com os gritos da torcida. Coincidentemente, a situação mudou. Aos 16 minutos, Tuta foi lançado nas costas de Galeano e tocou cruzado com o pé esquerdo, empatando para o Fluminense. Ele comemorou muito, mesmo com uma máscara preta no rosto para proteger seu nariz operado. Há 22 dias, o atacante não jogava. Aos 18 minutos, Ângelo segurou Leandro pela camisa e foi expulso, deixando os dois times iguais em campo. O jogo ficou aberto e qualquer um poderia vencer.Mas a noite era mesmo de Vadão que aos 35 minutos tirou o lateral Bruno para a entrada do atacante Izaías. No minuto seguinte, Galeano cobrou lateral para Luciano Santos que deixou Izaías livre na frente do goleiro Kléber. O iluminado atacante deu um toque por cima e foi vibrar com a torcida, com algumas cambalhotas.Ambos voltarão a campo na quarta-feira à noite. A Ponte Preta enfrentará o Santos, na Vila Belmiro, sem Ângelo e André Silva, expulso, e Galeano, com três amarelos. O Fluminense receberá o Goiás, em Volta Redonda, sem Preto Casagrande, expulso, e Juan, com três amarelos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.