Vaga de titular não assusta Correia

Correia garante não se assustar com a responsabilidade de entrar no time. Recuperado de uma forte gripe seguida de conjuntivite, que o deixou de cama no último final de semana, treinou nesta quarta-feira com desenvoltura e conquistou uma vaga no time titular, barrando Adãozinho e Fábio Gomes. ?Eu sou obrigado a dizer que é triste entrar em um momento assim. O time vinha bem com Magrão e Alceu no meio-campo. Mas minha obrigação é fazer com que a torcida não se lembre dos dois a partir de agora. Vou continuar torcendo para que ambos se recuperem o mais rápido possível, a tempo de nos ajudar a subir para a Primeira Divisão.? O volante lembrou que sempre esteve preparado para buscar o seu lugar na equipe. ?No futebol, contusões e suspensões acontecem. Nunca se sabe quando a chance vai surgir.? Em meio à euforia pela conquista da vaga, sobrou espaço também para elogios ao técnico Jair Picerni. ?Ele é muito franco. Escala quem realmente está bem. Espero ter uma seqüência maior, independentemente da função que tiver que realizar.?Elson - Elson mandou um recado direto aos que duvidam da sua capacidade para substituir Magrão a partir do jogo de sábado contra o Avaí. ?Aqui, ninguém é melhor do que ninguém. Quem entra tem a mesma capacidade de quem sai. Claro que não é legal ganhar uma vaga no time devido a contusão de um companheiro, mas uma coisa não dá para questionar. Desde que cheguei, conto com a confiança do Picerni.? O meia, em um exercício de autocrítica, afirma que jamais decepcionou quando escalado. E garante que o mais importante no momento é fazer parte do grupo. ?Claro que quem entra mais em campo tem mais chances para se firmar, mas não vou exigir nunca a vaga de titular. Vou substituir o Magrão, que hoje talvez seja o maior ídolo da equipe, mas nem por isso minha responsabilidade será maior. Já disse uma vez que temos condições até de atuar juntos. Ele pega mais no meio-campo, eu sou mais de criação.? Pendurado, Elson admite que forçará o terceiro cartão amarelo contra o Avaí, esperando que a advertência ocorra naturalmente. ?Não sou um jogador desleal. Nem me imagino cometendo uma falta violenta. Por essa razão, acho que tentarei ficar na frente da bola para, talvez, irritar o árbitro. Quero entrar limpo nas finais.?

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.