Vagner e Lúcio reiniciam greve de silêncio

As saídas noturnas de Vágner Love e Lúcio nos dias que antecederam a semifinal do Campeonato Paulista continuam monopolizando as atenções no Palmeiras. Os dois jogadores, que foram flagrados se divertindo antes da partida contra o Paulista de Jundiaí, em Araras, reiniciaram a greve de silêncio interrompida temporariamente semana passada, e negaram-se a conversar com os jornalistas às vésperas da partida de quarta-feira contra o Goiás, em Goiânia, pela Copa do Brasil. A assessoria de imprensa do clube não informou por que tomaram esta atitude. Mas, segundo o meia Elson, faz parte de um plano para que possam se desvincular da imagem de baladeiros o mais rápido possível. "Tanto o Lúcio quanto o Vágner querem, a partir de agora, apenas trabalhar e jogar. Não serem lembrados como irresponsáveis. Por serem jovens, ainda têm muita bola pela frente. Por isso, preferem ficar quietos. E, claro, ficar mais tempo em casa." Elson se mostrou favorável à opção dos companheiros. "Temos que respeitar o que pensam. Não forçar a barra. Mas, sinceramente, espero que tudo o que fizerem seja para o bem deles, principalmente porque ainda ajudarão bastante o Palmeiras." Segundo o meia, Lúcio, seu amigo particular, está passando por momentos conturbados. "Ele pintou o cabelo e colocou piercings por pura vaidade. Mas agora está chateado com o que vem sendo dito na imprensa em relação às suas saídas na noite. O exemplo da última partida contra o São Gabriel, quando foi vaiado na maior parte do tempo, ainda não saiu de sua cabeça. Mas a partir do jogo contra o Goiás, essa poeira tende a baixar." O confronto contra o time goiano está sendo encarado como a chance de recuperação após a eliminação do Paulistão. "Já esquecemos o que aconteceu no Campeonato Paulista. E também não queremos usar a goleada sobre o São Gabriel na semana passada para provar que estamos recuperados. Nosso desejo é lutar pela Copa do Brasil. Se o Goiás quer salvar o semestre após ser eliminado do campeonato goiano, nosso pensamento não é diferente. Vamos buscar o título." Para o volante Corrêa, a cobrança excessiva da torcida por resultados mexeu com o grupo. "O segredo agora é pensar por etapas. E a primeira é o Goiás em sua casa. Conversamos muito sobre a necessidade de marcar gols fora de casa, que para efeito de desempate têm peso dobrado. Mas é muito bom saber que a partida de volta será no Parque Antártica." Corrêa acredita que este não seja o momento ideal para os jogadores darem explicações sobre o comportamento da equipe. "Só existe uma maneira de mostrar nosso valor: ganhando os jogos dentro de campo. O resto é conversa. E é para isso que vamos lutar. Posso garantir que o grupo é unido e vive um ambiente bom. Claro que o Lúcio e o Vágner estão chateados. Mas, por isso, os deixamos sozinhos nos últimos dias para refletir."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.