Márcio Fernandes/AE
Márcio Fernandes/AE

Vágner Love chega 'arrepiado' ao Palmeiras e pronto para jogar

'Estou apenas uns três dias sem trabalhar', diz o atacante, que explica o sonho da Copa e o caso Corinthians

Redação

31 de agosto de 2009 | 12h17

Vágner Love reinicia sua carreira no Palmeiras com trancinhas verdes e bastante sorridente. Ele vestiu novamente a camisa 9 nesta segunda-feira, na Academia de Futebol, na apresentação oficial, e fez questão de mostrar que ficou arrepiado com o momento. E garantiu que tem condições de jogar rapidamente, pois vinha treinando.

Veja também:

linkMaurício Ramos fora por duas semanas

som ÁUDIO - Vágner Love não vê a hora de reestrear 

especial MASCOTES - Baixe o papel de parede do seu time

especial Visite o canal especial do Brasileirão

Brasileirão 2009 - lista Tabela | tabela Classificação

especial Dê seu palpite no Bolão Vip do Limão

"Tomei a decisão de voltar ao Palmeiras pelo passado que tive aqui, pelo carinho de todos, espero ajudar muito o time", diz. Ele explica os motivos de seu retorno: "Tem um algo mais sim. O Palmeiras está na reta final do Campeonato Brasileiro, tem possibilidade de ser campeão, de ir à Libertadores, e no futuro quem saber ir à Copa do Mundo".

Essa preocupação com seleção brasileira ele garante não ser prioridade. "Primeiramente tenho de fazer pelo Palmeiras, fazer um bom trabalho, e consequentemente voltar à seleção, se tiver a oportunidade".

O atacante ainda explicou como vê o episódio envolvendo o Corinthians em 2007, quando quase foi contratado pelo time. "Foi passado, aconteceu, uma página virada. Hoje não faria de novo, e em momento algum vesti a camisa do Corinthians, acho que o torcedor vai entender".

Para entrar em campo, Vágner Love diz que só depende do técnico do time alviverde. "Estou apenas um três dias sem trabalhar e a respeito de jogar vai depender do Muricy. É um time bem montado, muito bem treinado e compacto, e com certeza vai melhorar cada vez mais".

Seu empréstimo ao time alviverde é de um ano pelo CSKA Moscou, time que jogou por cinco anos após ser negociado pelo próprio Palmeiras. Ele sabe que terá de voltar para a Rússia. "É complicado não voltar. Todos aqui estão de parabéns por essa negociação acontecer. Eu renovei lá faz pouco tempo e dificilmente ficarei aqui após o empréstimo. Eu acho que vou ter de voltar."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.