Sérgio Neves/AE - 15/10/2009
Sérgio Neves/AE - 15/10/2009

Vagner Love promete colocar o 'pé na forma' para bater o Fla

Atacante afirma que se tornou torcedor do Palmeiras e que espera uma boa partida neste domingo no Palestra

Fábio Hecico, O Estado de S. Paulo

15 de outubro de 2009 | 20h35

O sotaque não engana. O gingado e o gosto pelo samba o entregam. O carioca Vagner Love, principal arma do Palmeiras para ganhar do Flamengo, domingo, no Palestra Itália, não esconde: era torcedor do Rubro-Negro quando menino, em Bangu. "Sou do Rio e, quando criança, torcia mesmo pelo Flamengo", revela. "Hoje sou profissional e torcedor do Palmeiras, clube que me revelou para o futebol brasileiro e mundial, que foi tudo para minha carreira", diz, firme. "Faço tudo por esse clube."

 

Veja também:

linkPetkovic aposta em Adriano para Flamengo vencer líder

especialMASCOTES - Baixe o papel de parede do seu time

especialVisite o canal especial do Brasileirão

Brasileirão 2009 - lista Tabela | tabela Classificação

especialDê seu palpite no Bolão Vip do Limão

 

As juras de amor se comprovam ao aceitar, na hora, proposta palmeirense quando podia defender o Flamengo após deixar o CSKA, da Rússia. "Eles me procuraram, mas minha vontade, desde o início, era defender o Palmeiras, equipe onde tenho grande identificação."

 

Vagner é um dos quatro reforços que o técnico Muricy Ramalho terá para apagar a má impressão deixada na derrota por 3 a 0 para o Náutico. Suspenso, não atuou, assim como Edmílson. Diego Souza e Armero também são reforços, após defenderem as seleções brasileira e colombiana, respectivamente.

 

Com cinco pontos à frente do São Paulo, o Palmeiras aposta na força de sua torcida, domingo. A procura por ingressos para o jogo foi enorme e o estádio deve lotar.

 

PÉ NA FORMA

Para vencer os cariocas, contudo, o time terá de fazer gols e, nesse quesito, o ataque precisa melhorar. Ontem, Muricy dedicou o treino às finalizações. No fim das atividades, jogava a bola para o alto e o chute tinha de ser de primeira. Quem fazia o gol, podia ir para o banho.

 

Tarefa fácil para atacantes, correto? Não foi bem o que se viu. Os homens responsáveis por balançar as redes decepcionaram: Ortigoza, Obina, Vagner, Robert e Lenny foram os últimos a marcar. Lenny, na verdade, nem conseguiu. "Deu vexame", se divertiu Love. "Mas é o treino mais difícil, tem de posicionar o corpo, chutar certo. É complicado."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.