Sérgio Neves/AE
Sérgio Neves/AE

Vágner Love rechaça duelo particular com Adriano

Palmeiras e Flamengo se enfrentam neste domingo; os dois jogadores também disputam vaga na seleção

AE, Agencia Estado

15 de outubro de 2009 | 15h31

O atacante Vágner Love, do Palmeiras, negou nesta quinta-feira que haverá um duelo particular entre ele e o também atacante Adriano na partida deste domingo, contra o Flamengo, no Palestra Itália, válida pela 30.ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Veja também:

linkApós seleção, Diego Souza exalta 'vontade' no Palmeiras

especialMASCOTES - Baixe o papel de parede do seu time

especialVisite o canal especial do Brasileirão

Brasileirão 2009 - lista Tabela | tabela Classificação

especialDê seu palpite no Bolão Vip do Limão

Vágner Love voltou ao Palmeiras em agosto e, desde então, já marcou quatro gols em seis partidas. Caminho semelhante fez Adriano, que acertou seu retorno ao Flamengo em abril e é o atual artilheiro do Brasileirão, com 15 gols.

Para o atacante palmeirense, no entanto, a disputa será entre os dois times, não apenas entre dois jogadores. "Não é Love x Adriano, mas sim Palmeiras x Flamengo. O Adriano é um jogador diferenciado, que vive um excelente momento, mas temos que valorizar os conjuntos e esse grande clássico do futebol brasileiro", afirmou Vágner Love.

Somando a sua primeira passagem no Palmeiras, entre 2003 e 2004, e a atual, Vágner Love registra 53 gols em 72 partidas disputadas. Com média de 0,74 gols por jogo, ele disse que a marca fica em segundo plano diante do objetivo de conquistar o título do Brasileirão.

"É legal saber que minha média é muito boa, mas de nada adianta fazer gols se o time não vencer. Em primeiro lugar, vem o coletivo, e hoje o pensamento está no título do Brasileiro. Quero viver do presente, e para isso sonho com novos títulos e conquistas", disse Vágner Love.

Vágner Love também admitiu que era fã do Flamengo durante sua infância, mas preferiu valorizar a gratidão que tem pelo Palmeiras, clube que o revelou e onde joga atualmente. "Eu cresci no Rio e tinha uma simpatia pelo Flamengo, mas virei profissional e hoje sou eternamente grato ao Palmeiras", explicou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.