Vágner Love se acha 90% no Corinthians

Outra vez Vágner Love deu a cara para bater. Depois do vexame de janeiro, quando concedeu entrevista como jogador do Corinthians, ele havia prometido que só voltaria a falar sobre a sua saída do CSKA Moscou quando ela estivesse efetivada. Mas ele não agüentou. O jogador confirmou, nesta quarta-feira, que desta vez vai mesmo jogar no Parque São Jorge. ?Eu estou realmente muito perto do Corinthians. Acredito que a negociação tem mais de 90% de ser fechada. O CSKA está fazendo exames médicos no Jô e sei que se eles derem normais, ele será incluído na minha venda para a MSI. Eu acho que agora não vai dar para trás como das últimas vezes?, disse Love, na Rússia. No Parque São Jorge se comenta que a transação está girando em torno de US$ 15 milhões. A MSI pagaria US$ 11 milhões por Love e daria Jô cotado em US$ 4 milhões. ?Eu tenho a minha participação na vinda do Jô. Os dirigentes do CSKA me perguntaram quem seria melhor contratar para jogar como atacante: o Fred que estava no Cruzeiro ou Jô do Corinthians. Eu dei as características de cada jogador. Falei que o Fred era bom, mas o Jô também era?, assume Love. A diretoria do CSKA veio ao Brasil para observar os dois jogadores. Gostou de Fred, mas ficou irritada com a intransigência da diretoria do Cruzeiro em negociar a sua principal estrela. Não houve meio de baixar a pedida de dez milhões de euros. A alternativa Jô agradou. Os dirigentes do CSKA acompanharam o clássico contra o Palmeiras. Ele teve um bom desempenho. Ficaram mais animados quando ouviram o preço, menos da metade do atacante cruzeirense. Jô tentou evitar que a transação com o CSKA se efetivasse. Ficou encantado com a infra-estrutura do Benfica. Em várias ?conversas? por computador com o ex-companheiro Anderson, que está em Portugal, decidiu pelo clube português. Um grupo de empresários chegou a anunciar o negócio como fechado. Mas Kia travou a transação quando ouviu dos dirigentes do CSKA que Love seria liberado se Jô fosse jogar na Rússia. Os resultados dos exames médicos devem sair nesta quinta. Os dois jogadores trocarão de clube em janeiro de 2006.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.