Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

Vaiado, Loss pede à torcida do Corinthians paciência após empate

Técnico diz entender manifestações negativas, porém afirma que momento atual requer compreensão

O Estado de S. Paulo

02 Setembro 2018 | 05h00

Paciência e compreensão. O técnico do Corinthians, Osmar Loss, fez esses pedidos para a torcida do clube depois do empate por 1 a 1 e da atuação ruim do time contra o Atlético-MG, neste sábado, em casa, pelo Campeonato Brasileiro. O resultado motivou algumas vaias do público e reações de críticas nas redes sociais ao treinador, que na quarta-feira viu o time ser eliminado na Libertadores.

Para Loss, mesmo com o calendário apertado e problemas para montar o time, foi possível ter uma boa atuação. "Se avaliarmos as dificuldades que a gente passa, e sobre a dedicação de conseguir um jogo melhor, de trabalhar de dois em dois dias com um jogo em alta dificuldade, eu acho que o rendimento não está fora do normal. Mas é claro que não estamos satisfeitos", afirmou.

O Corinthians não contou com sete titulares. O goleiro Cássio, o zagueiro Henrique e meia Jadson foram poupados. O zagueiro Pedro Henrique está machucado e mais três cumpriam suspensão: Clayson, Douglas e Fagner. O time abriu o placar com o Atlético-MG com Pedrinho, aos 19 minutos de partida, e levou o empate com Fábio Santos, aos 35 minutos do primeiro tempo.

O treinador ouviu vaias do torcedor e disse compreender a manifestação. No entanto, relembrou que as condições o fazem considerar a atuação como a espera. "Acho que pelas dificuldades, o rendimento não está fora do normal", comentou. O empate atrapalhou o Corinthians de se aproximar justamente do adversário, que ocupa a sexta posição. A distância entre os dois continuou com cinco pontos.

Loss afirmou pediu para o torcedor compreender o momento do time e ser menos exigente. "Gostaríamos de ter tido uma vitória. Mas acho que um pouco não só de paciência, mas também de entender tudo o que está acontecendo é necessário", explicou.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.