Vaiado, Neymar diz estar chateado com os torcedores

Ainda não foi nesta quinta-feira, contra o Mogi Mirim, que Neymar quebrou o jejum de seis jogos sem fazer gol - quatro pelo Santos e dois pela seleção brasileira. E ainda por cima o atacante saiu de campo vaiado por uma boa parte dos pouco mais de seis mil torcedores que compareceram à Vila Belmiro. "A gente fica triste. Claro que ser vaiado e criticado a gente não gosta, ainda mais eu, por tudo o que fiz por esse clube. São torcedores do time que eu amo", disse.

SANCHES FILHO, Agência Estado

28 de março de 2013 | 22h25

Cercado por repórteres, em alguns momentos, Neymar procurou demonstrar indiferença aos protestos dos torcedores. "Eu não ligo não. Esses torcedores que xingaram hoje, amanhã ficam felizes. Nosso time é muito bom, mas acabamos empatando hoje (quinta). Agora vamos treinar e organizar o time para vencer a próxima".

O técnico Muricy Ramalho não deu importância às vaias. Para ele, a manifestação da torcida é coisa natural quando o time joga em casa e não consegue vencer. "O torcedor quer ver o time jogar bem sempre e o jogador (referindo-se a Neymar) tem que estar acostumado com isso".

Para o treinador santista, o time melhorou muito no jogo desta quinta, principalmente pela nova função que Neymar vem fazendo, atuando mais atrás e armando o jogo para os companheiros. "Com a volta de Neymar e Montillo, o Santos melhorou muito a posse de bola. Antes errávamos muito, em razão da velocidade. Mas é assim mesmo. Em outros jogos, o time atuou mal e ganhou e hoje (quinta) jogou bem e não venceu".

Muricy Ramalho adiantou que o zagueiro Edu Dracena (apresenta sintomas de fadiga) e o lateral-esquerdo Léo estão fora do jogo contra o Oeste, neste domingo, em Bauru. Ele também elogiou a atuação de Giva e disse que o garoto vai continuar sendo o parceiro de Neymar, com André ficando na reserva.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolPaulistãoSantos FCNeymar

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.