Wilton Junior/Estadão
Wilton Junior/Estadão

Valcke admite '20% das coisas sem funcionar' no Brasil

Secretário-geral da Fifa minimiza problemas durante a Copa das Confederações

AE, Agência Estado

26 de junho de 2013 | 09h25

RIO - O secretário-geral da Fifa, Jérôme Valcke, minimizou os problemas ocorridos durante a Copa das Confederações, cujas semifinais começarão nesta quarta-feira com o confronto entre Brasil e Uruguai, às 16 horas, no Mineirão. O dirigente admitiu que o torneio foi atrapalhado por alguns contratempos, mas qualificou os mesmos como normais por terem ocorrido em uma competição que serve como preparação para a Copa do Mundo de 2014.

Em entrevista ao SporTV, concedida no final da noite da última terça, Valcke também aproveitou para assegurar que em nenhum momento a Fifa pensou em cancelar a Copa das Confederações, o que chegou a ser cogitado também por causa da grande onda de protestos que ocorreram e estão acontecendo no Brasil em meio ao período de disputa do torneio. Os gastos públicos do governo para organização da Copa de 2014, e consequentemente para este torneio em andamento, estão entre os vários temas abordados pelos manifestantes, que chegaram a pedir "hospitais padrão Fifa" aos governantes durante os protestos dos últimos dias.

"Claro que ainda teremos muito trabalho, 20% das coisas ainda não funcionaram como nós queríamos durante a Copa das Confederações, alguma parte de controle de acesso de ingressos e alimentação, por exemplo, mas nada que tenha criado um problema em que a Copa das Confederações estivesse sob qualquer risco. E não foi nada anormal para um evento-teste", ressaltou Valcke.

Na semana passada, o dirigente chegou a pedir mais segurança ao governo para a realização da Copa das Confederações e reclamou que a Fifa era o "alvo errado" dos manifestantes - na última quinta-feira, um grupo de vândalos foi até o hotel onde está hospedada a comitiva da Fifa em Salvador, e tentou entrar. Houve confronto com a Polícia Militar e dois ônibus da federação internacional foram apedrejados.

E, nesta terça, Valcke enfatizou que "se há algo que pode tirar uma Copa de um país é a segurança", mas também salientou que a entidade que controla o futebol mundial apoia os protestos, desde que sejam pacíficos, e assegurou que o Mundial, de fato, será ocorrido no Brasil em 2014.

Ao falar da Copa, o dirigente também disse estar convicto de que todos as 12 cidades-sede estarão preparadas e aposta que os estádios ainda em fase final de construção serão entregues dentro do prazo estipulado pela Fifa.

"Hoje nós temos seis estádios prontos. Usamos os seis estádios para a Copa das Confederações e temos outros seis que serão entregues com o prazo de dezembro de 2013. Tenho certeza de que eles serão entregues, até mesmo com o estádio do Corinthians nós concordamos que o final de 2013 vai ser a data que eles vão dar, por assim dizer, a ''chave'' do estádio. Não tenho medo (que os estádios não fiquem prontos)", garantiu Valcke.

Quando questionado sobre os estádios construídos ou reformados para a Copa de 2014, o dirigente reconheceu que alguns deles foram ou estão sendo erguidos mediante gastos muito altos, mas negou que os mesmos irão elitizar o acesso dos torcedores.

"Alguns deles custaram realmente muito dinheiro, mas esses estádios não serão reservados apenas para os ricos. Isso é uma bobagem. Um estádio é um estádio. Impossível dizer que, porque esse estádio custou ''x'', vamos cobrar ingressos supercaros. Não, isso não é verdade, não é o que está acontecendo", sublinhou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.