Wilton Junior/Estadão
Wilton Junior/Estadão

Valcke defende mais um mandato de Blatter na Fifa

Atual presidente pode concorrer à reeleição e para permanecer no cargo até 2019

AE, Agência Estado

18 de junho de 2013 | 15h25

RIO - Tido como provável candidato à sucessão de Joseph Blatter, o atual secretário-geral da Fifa, Jerome Valcke, defende que o suíço concorra à reeleição. A afirmação foi feita durante entrevista coletiva nesta terça-feira, no Rio, indicando que Blatter pode tentar permanecer no cargo até 2019.

"O atual presidente é muito bom. Por que ele não poderia concorrer de novo? Porque ele não pode continuar como presidente da Fifa? Ele está fazendo um grande trabalho", disse Valcke, sem levar em consideração o fato de que Blatter já está com 77 anos e seguiria no poder até ter 84 em caso de mais uma reeleição.

"Por que mudar num time que está ganhando?", reforçou o secretário-geral da Fifa, que só ponderou que a próxima eleição da entidade é daqui a dois anos e até lá muita coisa pode acontecer.

Blatter também era secretário-geral da Fifa antes de ser eleito presidente com o apoio de seu antecessor, o brasileiro João Havelange. Ele assumiu o cargo máximo em 1998 e, desde então, foi reeleito três vezes: 2002, 2006 e 2011. Caso alcance mais uma reeleição, chegaria a 21 anos no cargo.

Em janeiro, as 53 nações que compõem a Uefa aprovaram um documento em que sugerem a limitação do tempo de permanência do próximo presidente da Fifa no comando da entidade a 12 anos. A sugestão da Uefa repete proposta que foi adotada pelo Comitê Olímpico Internacional (COI).

Blatter chegou a indicar que não iria concorrer ao cargo mais uma vez e o francês Platini, que dirige a Uefa, apareceu como grande favorito a sucedê-lo. Mas o sueco mudou o discurso nos últimos tempos. Em maio, disse que pode participar do próximo pleito para terminar as reformas que vem implantando na entidade.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolFifa

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.