Clayton de Souza/Estadão
Clayton de Souza/Estadão

Valcke está preocupado com instalações de mídia na Arena Corinthians

Secretário-geral da Fifa vem ao Brasil no domingo e quer saber se haverá tempo para construir estruturas

O Estado de S. Paulo

21 de março de 2014 | 12h37

ZURIQUE - O secretário-geral da Fifa, Jérôme Valcke, confirmou nesta sexta-feira que a questão financeira envolvendo as estruturas temporárias da Arena Corinthians está resolvida. O clube e seus parceiros vão assumir essa pendência, como disse Andrés Sanches, ex-presidente do Corinthians e responsável pelo estádio de Itaquera. A preocupação do dirigente da Fifa agora é outra: saber se haverá tempo hábil para a instalação das estruturas de mídia.

"A parte financeira da Arena Corinthians está resolvida, foi a informação que recebi por meio de telefonemas que fiz com São Paulo. Mas agora temos apenas 80 dias para fazer o que é preciso, como os centros de mídia e a área de hospitalidade. O jogo de abertura é tão cheio como a final, todos os ingressos já foram vendidos", disse Valcke.

O secretário-geral da Fifa, Valcke, que citou nominalmente São Paulo e Porto Alegre como sedes em pendência, chega ao Brasil domingo. Na segunda-feira, ele vai se reunir com integrantes do Comitê Organizador Local (COL), no Rio. O ex-presidente do Corinthians, Andrés Sanchez, admitiu sábado que o clube arcará com os custos das instalações temporárias. Mas busca parceiros para amenizar a conta, que pode variar de R$ 42 a R$ 60 milhões. Isso pode atrasar o início da instalação dos materiais, justamente o objeto de preocupação de Valcke.

O jogo de abertura também recebe a cerimônia oficial da Copa organizada pelo país-sede. Todos os chefes-de- Estado das 32 seleções estarão na Arena Corinthians no dia 12 de junho, mais centenas de jornalistas, além dos membros da 'família Fifa'.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.