Valdir se envolve em polêmica do cartão

Artilheiro do Campeonato Carioca com 12 gols, o atacante Valdir se vê no meio de uma polêmica envolvendo a já conturbada arbitragem da competição. Durante a partida com o América, domingo, o jogador teria pedido ao árbitro Edílson Soares da Silva para receber um cartão amarelo. Como estava pendurado, o atleta temia desfalcar sua equipe na semifinal da Taça Rio. Acabou tendo êxito após chutar a bola quando o jogo estava paralisado. Porém, na súmula, Edílson escreveu que aplicou o cartão por causa de reclamação. "Forcei a punição sim, admito. Mas não fui o primeiro a fazer isso e nem serei o último. Não tenho porque enfrentar o Flamengo no domingo. O jogo não tem valor para o Vasco", disse o jogador. Segundo ele, é mais fácil forçar uma situação do que pedir para receber um cartão. "É lógico que não pedi. É tão simples levar um. É só fazer uma falta, puxar uma camisa ou chutar a bola para longe quando a partida estiver parada." Nas imagens da TV, logo após o segundo gol vascaíno, a leitura labial leva a crer que Valdir pediu para ser punido. O atleta parece dizer. "Eu preciso levar um cartão." O atacante, porém, se recusou a revelar o teor da conversa com o árbitro. "É assunto particular." De acordo com o presidente da comissão de arbitragem da Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro (Ferj), Sérgio Aureliano, o caso será analisado em reunião nesta quinta-feira. "Estou em Brasília e ainda não vi a fita nem li o relatório do observador. Por enquanto, só sei o que li e vi pela imprensa." Mas o dirigente adiantou que a atitude de Valdir, ao chutar a bola com o jogo paralisado, era passível de punição. Para o ex-juiz e atual comentarista de arbitragem, Arnaldo César Coelho, o ato de forçar o cartão é normal. "O que não pode é um jogador pedir para ser punido. Ou o Edílson ignorava o fato ou o expulsava", afirmou. "Se a federação do Rio fosse séria, o árbitro seria indiciado."

Agencia Estado,

17 de março de 2004 | 09h31

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.