Valdivia afirma que fica até o fim do ano no Palmeiras

'Não há proposta, mas mesmo se tiver eu quero e vou ficar para ganhar o Brasileiro' diz o chileno

Cosme Rímoli, Jornal da Tarde

15 de maio de 2008 | 20h45

Se a diretoria do Palmeiras está procurando um novo camisa 10, não é problema de Valdivia. O chileno disse nesta quinta-feira que ficará no clube até o fim do Campeonato Brasileiro. Jurou que não irá embora na janela de transferências que se abre no meio do ano. Pelo contrário. "Eu não vou sair antes do fim do Brasileiro, não. Não há proposta, mas mesmo se tiver eu quero e vou ficar para disputar e ganhar o Brasileiro pelo Palmeiras", prometeu o jogador, muito empolgado. Valdivia disse ter sido mal interpretado em relação a uma entrevista que deu no Chile. "Apenas me perguntaram onde eu gostaria de jogar na Europa e eu falei do futebol espanhol, só isso. E não há qualquer proposta para sair agora. Vou continuar no Palmeiras." O chileno disse que teve uma conversa séria com Vanderlei Luxemburgo. Os dois temas principais foram: a necessidade de o jogador ser mais participativo e da proibição de reclamar dos árbitros para pedir falta. "Eu já sou e estou sendo cada vez mais... como é que se fala? Participativo. Estou jogando mais para o time. E quanto à proibição de reclamar, o Vanderlei já me falou. Eu não concordo porque é do futebol reclamar, mas fazer o quê?! A única coisa que eu peço é que marquem faltas em mim quando elas acontecerem." O jogador disse também que tem uma nova preocupação durante o Brasileiro. "Quero marcar mais gols. Sinto que posso ajudar o Palmeiras concluindo mais a gol. Não a ponto de ser chamado de Matador, sair por aí dançando o 'créu' que não é comigo. Quero é fazer os gols e continuar a ser chamado do que já me chamam, Mago."  E rejeitou a condição de ídolo da torcida. "Ídolo é o Marcos, por tudo o que ele já conquistou, pelo tempo que ele está aqui e por tudo aquilo que ele fez e ainda faz pelo clube. Sei que a torcida gosta de mim e espero ser um dia lembrado como ídolo", afirmou, modesto. Afastado da seleção chilena por atos de indisciplina que teria cometido durante a Copa América do ano passado, na Venezuela, Valdivia diz que está disposto a voltar e espera pela convocação. "O novo treinador (o argentino Marcelo Bielsa) tem recebido muita pressão para me convocar. As pessoas passaram a respeitar muito mais o meu futebol pelo que estou fazendo pelo Palmeiras. Eu quero voltar e com a certeza de saber quem é quem. Saberei diferenciar quem está comigo ou não", diz. Valdivia acredita que foi prejudicado com o caso. Acabou como ‘bode expiatório’ pela má campanha chilena. A seleção foi eliminada nas quartas-de-final com uma goleada por 6 a 1 para o Brasil, jogo em que Valdivia entrou apenas no segundo tempo, quando o Chile já perdia por 3 a 0. "Eu tenho certeza de que não preciso mudar nada em mim para voltar a jogar pelo Chile. Nada." Embora jure que não irá ser negociado em junho, o jogador já considera a sua missão cumprida por ter conquistado o título paulista. "Eu falei que me consideraria com o dever cumprido se ganhasse um título com o Palmeiras. Já ganhei, mas sonho agora com o Brasileiro. O bom dessa história é que já entrei na história do Palmeiras. Quando eu sair ninguém vai poder falar mal de mim. Eu não vou aceitar."

Tudo o que sabemos sobre:
PalmeirasValdivia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.