Valdívia diz que 'chorou' de alegria pela vitória do Palmeiras

Meia chileno cria polêmica no clássico paulista ao comemorar o gol da vitória do Palmeiras com um chororô

Redação,

02 de março de 2008 | 19h10

Autor do gol da vitória do Palmeiras diante do rival Corinthians, neste domingo, pelo Campeonato Paulista, o meia chileno Valdívia não escondeu que as provocações corintianas foram o estímulo necessário para que comemorasse o gol da maneira como fez, com um gesto indicando que é um "chorão".Veja também: Classificação Calendário / Resultados  Palmeiras vence o rival Corinthians e se recupera no Paulistão  Você acha que Valdívia exagerou na comemoração? "Disseram durante a semana que eu era um chorão. Eu, então, comemorei com choro, mas de alegria, pela vitória", disse o jogador, que continuou. "Eu choro de alegria, pois é gratificante fazer o gol da vitória num clássico, pois isto nunca tinha acontecido isto comigo."Sobre as provocações do zagueiro William, do Corinthians, que o havia chamado de chorão, Valdívia comentou: "Isso faz parte do clássico, mas ele falou antes e me deu vontade de comemorar de tal forma. Não quis desmerecer ninguém, e vou continuar a jogar da maneira como eu gosto."Valdívia também comentou sobre o fato de não ter perdido para o Corinthians com a camisa do Palmeiras. Já são quatro vitórias consecutivas. "Já são quatro vitórias em cima do Corinthians, seguidas. Sempre é bom jogar clássico. Eu sempre lembro do Edmundo [que jogou no Palmeiras no ano passado] e do que ele disse: quem se destacar num clássico, tem tudo para se destacar na carreira."Já o técnico do Palmeiras, Luxemburgo, não quis entrar no mérito da questão da comemoração, mas elogiou a postura do jogador dentro de campo. "O Valdívia tem que fazer isso. Provocar com um bom futebol. Temos feito um trabalho especial com ele de finalização, pois ele tem que gostar disso. Ele tem capacidade, e estou muito contente com a partida que ele fez."

Tudo o que sabemos sobre:
Paulistão A-1CorinthiansPalmeiras

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.