Cesar Greco/Agência Palmeiras
Cesar Greco/Agência Palmeiras

'Valdivia e Cleiton Xavier não podem ser a solução', diz Lucas

Lateral do Palmeiras alerta para evitar dependência dos meias

Daniel Batista, O Estado de S.Paulo

01 de abril de 2015 | 07h03

O Palmeiras deve ter dois reforços de peso para o mata-mata do Campeonato Paulista. Os meias Cleiton Xavier e Valdivia devem entrar no time ou pelo menos ficarão a disposição do técnico Oswaldo de Oliveira para a sequência da temporada. O lateral-direito Lucas deixa claro que não os consideram como a solução dos problemas da equipe, embora os considerem diferenciados.

"Não dá nem para discutir a qualidade dos dois. O grupo do Palmeiras tem que encontrar a intensidade para quando eles incorporarem o elenco, estarmos totalmente coesos. Eles não podem ser a solução. Eles têm que chegar e completar o elenco, ser a cereja do bolo", analisou o jogador.

Valdivia voltou aos treinos com o grupo nesta terça-feira, após ficar por uma semana com a seleção chilena, mas ele não atuou pelo time de Jorge Sampaoli. A expectativa é que ele consiga estrear na temporada neste sábado, na partida contra o Mogi Mirim, no Allianz Parque. Já Cleiton Xavier só poderá ser inscrito na próxima fase, já que detalhes burocráticos impediram que ele conseguisse ser regularizado antes da data limite para inscrição na primeira parte do Campeonato Paulista. Além disso, o jogador se recupera de dores musculares.

Para Lucas, o equilíbrio da equipe para conseguir receber os dois meias sem que eles se tornem "a salvação" passa pelo entrosamento. "Precisamos jogar mais tempo juntos. Cada atleta age de uma forma diferente entre uma partida e outra e precisamos encontrar o equilíbrio", comentou o atleta, que ainda vê uma falta de intimidade entre os jogadores. "Às vezes ainda tem o receio de cobrar, o que é natural, já que estamos só três meses trabalhando juntos. Por isso, temos que trabalhar cada vez mais juntos", completou.

Após o jogo contra o Mogi Mirim, o Palmeiras enfrenta o Ituano na quarta-feira e depois já encara o mata-mata. Tanto Oswaldo como Lucas acreditam que até a próxima fase, a equipe estará pronta. "A ideia é essa. Evoluimos bastante desde o primeiro dia e o futebol requer isso. É nítida a nossa evolução. A gente cria bastante chance de gols e só precisamos intensificar a marcação", analisou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.