Paulo Pinto/AE - 22/12/2010
Paulo Pinto/AE - 22/12/2010

Valdivia e Lincoln deixam o departamento médico do Palmeiras

Nesta terça-feira, eles participaram normalmente dos treinos físicos com o restante do grupo

AE, Agência Estado

08 de fevereiro de 2011 | 15h10

SÃO PAULO - O técnico Luiz Felipe Scolari deve, em breve, poder contar com a volta de dois dos principais jogadores do seu elenco. Nesta terça-feira, os meias Lincoln e Valdivia foram liberados pelo departamento médico do clube e participaram normalmente dos treinos físicos com o restante do grupo palmeirense.

"Eles deixaram a fisioterapia e estão treinando apenas a parte física. A intenção é que eles também retornem às atividades com bola nesta semana, mas como ainda estão há algum tempo sem treinar, isso será feito gradativamente, seguido a programação que foi estabelecida para os dois", explicou o médico Vinícius Martins, que afirmou ainda que não é possível dizer se os dois meias estarão liberados para encarar o Americana, no sábado, pela oitava rodada do Paulistão.

Valdivia não joga uma partida oficial desde novembro, quando sentiu uma fibrose na coxa esquerda em um jogo contra o Atlético-MG. Em janeiro, ele chegou a voltar a jogar, atuou em um jogo-treino contra o Juventus, mas voltou a sentir a lesão. Já a contusão de Lincoln era na coxa esquerda, sentida na estreia do Palmeiras no Paulistão.

Se está prestes a poder contar com Valdivia e Lincoln, Felipão não deverá mais poder escalar, até o final do Paulistão, o atacante Dinei, que fraturou o quadril e ficará afastado dos gramados por cerca de três meses. No choque que contundiu o atacante, Tinga também acabou se lesionando. Ele sofreu uma torção no tornozelo e se tornou dúvida para sábado.

Veja também:

linkDinei sofre grave lesão e fica três meses fora

link'Não faltou coração', diz Marcos Assunção

linkPalmeiras em busca de gols e 'espírito decisivo'

linkFelipão reclama e pede um atacante finalizador

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.