Valdivia nega sumiço e se defende: 'Eu estava na Disney'

Jogador diz ter ganhado férias do novo clube e ficado numa boa, sem se preocupar com nada. 'Eu e o Palmeiras fomos enganados'

DANIEL BATISTA, O Estado de S.Paulo

07 de agosto de 2014 | 15h13

O meia Valdivia concedeu nesta quinta-feira uma longa entrevista coletiva, a seu pedido, inclusive, que durou uma hora e vinte minutos, para explicar a conturbada negociação frustrada com o Al Fujairah, dos Emirados Árabes, para onde foi e voltou. O chileno disse que foi liberado pelos árabes para tirar férias porque o acordo já havia sido sacramentado. Então, foi para a Disney.

"Eu não era mais jogador do Palmeiras, mas do Al Fujairah. Eles tinham me mostrado para o mundo, dei entrevista lá sobre o acerto, torcida foi ao aeroporto para me receber. Cheguei em Dubai à meia-noite e cheguei ao hotel às 4 da manhã, porque fui apresentado por todo mundo. A gente concordou que seriam necessários esses dias, depois da Copa. Voltei para o Brasil e fui tirar férias. Eu estava na Disney, com minha família. Se tivesse sumido, como falaram, minha mulher não teria postado foto nossa no Instagram", explicou o jogador, que revelou o motivo de ficar incomunicável durante o período que esteve fora.

Valdivia entendeu que estava tudo acertado, e que ganhou férias depois da Copa do Mundo. "Cancelei todos os meus números de telefone no Brasil, tirei as crianças da escola e minha família preparou tudo para mudar. Ganhei essas férias do clube, o novo, fui embora, sem preocupação nenhuma. Não queria mais saber de telefone e mensagem. Minha casa foi invadida por gente que queria falar comigo. Naquele momento eu precisava curtir meus filhos. Isso é sagrado. Eu saía às 8h da manhã do hotel com a família e voltava meia-noite para dormir. Eu não estava escondido."

O jogador explicou que as fotos de suas férias eram postadas pelo celular de sua cunhada e que ele não teve qualquer contato com internet durante o período que foi aos Estados Unidos, semana passada. Quando retornou, disse ter ficado surpreso. "Quando voltei, fiquei em choque. A pessoa do Chile que viajou comigo me disse que tentaram entrar em contato com eles (os árabes) e não tiveram resposta. Ninguém apareceu. Eles só informaram que o negócio não tinha dado certo por minha causa, mas é mentira. Tenho tudo assinado que fizemos um acordo. Eu fui enganado. O Palmeiras foi enganado e fui tratado como uma criança.".

Por diversas vezes em sua entrevista, ele disse que era difícil de acreditar em suas declarações, mas jurava de pés juntos que era tudo verdade. "Espero que a torcida do Palmeiras entenda a minha sinceridade. Não fiquei escondido ou sumido. Fiz tudo com aval do novo clube."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.