Cesar Greco/Ag. Palmeiras
Cesar Greco/Ag. Palmeiras

Valdivia pode se despedir da arena do Palmeiras contra o ASA

Meia tem contrato até o dia 17 de agosto

Daniel Batista, O Estado de S.Paulo

27 de maio de 2015 | 07h00

O meia Valdivia tem grandes chances de fazer nesta quarta-feira seu último jogo no Allianz Parque com a camisa do Palmeiras. O jogador parece cada dia mais distante de um acerto para renovar contrato e, após a partida contra o ASA, pela Copa do Brasil, terá apenas o confronto com o Corinthians, domingo, no Itaquerão, e depos se apresenta na seleção chilena para a disputa da Copa América. O técnico Oswaldo de Oliveira já manifestou seu desejo de continuar com o jogador, mas sabe que a situação não é fácil.

O chileno tem contrato até o dia 17 de agosto e ficou incomodado com a primeira e única proposta oferecida pelo Palmeiras. O salário fixo seria R$ 120 mil e ele receberia R$ 60 mil por cada jogo em que fosse titular. Além disso, o clube não lhe assegurou o pagamento de pouco mais de R$ 1 milhão que lhe deve, ainda referente a dívidas antigas na gestão do ex-presidente Arnaldo Tirone. 

Mesmo ciente da possibilidade de perder seu camisa 10, Oswaldo continua contando com o meia e nesta quarta-feira vai escalá-lo como titular. "O Valdivia desde o início se mostrou empenhado em curar a contusão. Ocorre que as contusões e essa coisa da seleção chilena (ter sido convocado mesmo se recurando de lesão) quebraram a sequência dele e isso atrapalhou muito. Nos dois últimos jogos, eu não pude escalá-lo como titular por isso. Tive que resguardá-lo e isso alterou um pouco. Mas sigo atento a ele e minha expectativa é contar com ele até quando der", disse o comandante palmeirense.

Para evitar polêmicas, o chileno resolveu não dar mais entrevistas desde que o assunto renovação de contrato passou a ser o foco em relação a ele. Nos bastidores, tanto no lado do jogador como do clube, existe pouca esperança de um acerto. O diretor de futebol, Alexandre Mattos, é contra a sua renovação, enquanto o presidente Paulo Nobre queria que o chileno permanecesse. Como a Copa América termina dia 4 de julho, pouco mais de um mês para o término do vínculo com o meia, existe a possibilidade dele não atuar mais pelo Alviverde após a disputa continental.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.