Cesar Greco/Agência Palmeiras
Cesar Greco/Agência Palmeiras

Valdivia quer 'bônus' quando não puder jogar pelo Palmeiras

Meia espera por premiação caso vá para a seleção chilena

Daniel Batista, O Estado de S.Paulo

09 de abril de 2015 | 15h38

O meia Valdivia já deixou claro que ainda espera por uma conversa mais direta com a diretoria do Palmeiras sobre sua renovação e o ponto que mais lhe incomoda no momento é sobre o contrato de produtividade oferecido pelo clube. O chileno quer uma bonificação caso não possa atuar por motivos que não lhe pertencem. 

Por exemplo: se for convocado, ele quer receber uma bonificação, já que não estará em campo pelo Palmeiras pelo fato de defender a seleção. Não receber um bônus seria, na visão do chileno, como se fosse punido por defender seu país.

O mesmo vale para uma lesão durante uma partida. Se sofrer pancadas e isso provocar sua ausência em jogos seguintes, Valdivia defende ser justo receber um seguro, já que se ausentará das partidas por ter sido machucado enquanto defendia o Palmeiras.

O pai e empresário do atleta, Luis Valdivia, já recebeu uma primeira oferta do Palmeiras e vai fazer uma contra-proposta para o clube, provavelmente, com essas ressalvas. O chileno tem contrato até o dia 17 de agosto e já manifestou intenção em permanecer no clube, entretanto, está incomodado com a demora das negociações. Cruzeiro e Flamengo continuam de olho em sua situação e seu nome foi recentemente comentado no Boca Juniors e Colo Colo, clube onde começou a carreira.

Nesta quinta-feira, o presidente do Palmeiras, Paulo Nobre, confirmou a intenção em renovar contrato com o jogador, mas apenas se for dentro do acordo de produtividade. "Estamos com a intenção de renovar com o Valdivia. Ele diz a todos que gostaria de renovar. Ele tem contrato antigo, que não é por produtividade. Se renovarmos, vai ser dentro do conceito que existe hoje. Gostaria muito que ele continuasse no Palmeiras", disse o dirigente.

Já o diretor executivo do clube, Alexandre Mattos, preferiu se esquivar e adotar um discurso mais lacônico. "Só falamos do Valdivia quando tivermos alguma definição. Como não temos ainda, não falamos nada. Gostamos muito do Valdivia, mas a minha frase é única até o fim disso: só vamos falar quando tiver novidade."

Tudo o que sabemos sobre:
PalmeirasFutebolValdivia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.