Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

Valentim defende trabalho no Palmeiras: 'Time só fez um jogo ruim'

De saída do cargo, técnico afirma ter conseguido time jogar bem nas dez partidas realizadas sob seu comando até agora

Ciro Campos, O Estado de S. Paulo

28 Novembro 2017 | 11h00

Apesar de saber que não continuará na função, o técnico do Palmeiras, Alberto Valentim, defendeu nesta segunda-feira a sua gestão no comando da equipe. O treinador enalteceu os números e as atuações da equipe na entrevista coletiva depois da vitória por 2 a 0 sobre o Botafogo, no Allianz Parque, e segundo a sua autoavaliação, em dez partidas, somente em uma a equipe jogou mal.

+ Roger se apresenta ao Palmeiras e começa a discutir reforços

+ Zé Roberto diz orgulhar de ter ajudado o clube a se reerguer

"Nos dez jogos, em um não jogamos bem na minha opinião: contra o Vitória (derrota por 3 a 1 ). Jogamos bem em todos os outros. O nosso melhor jogo foi um empate com o Cruzeiro. Perdemos do Corinthians com um gol em impedimento, em um clássico equilibrado", disse o treinador. Valentim dará lugar a Roger Machado no próximo ano e recebeu da diretoria a proposta de voltar a ser auxiliar.

Nesse contexto de indefinição, pode pesar a vontade pessoal de Valentim de seguir carreira como técnico. Ele deixou o Palmeiras no fim do ano passado por não ter sido efetivado, porém retornou ao clube após pedido de Cuca. O Sport realizou sondagens por Valentim e é o mais provável destino caso o treinador decida sair para tentar a carreira. Apenas após o fim do Campeonato Brasileiro o treinador pretender anunciar a decisão.

"Sou muito crítico, mostro vídeos a jogadores, deixo a cabeça deles cheia de informações. Contra o Avaí, nós perdemos, mas fomos melhores, também. Demos 609 passes naquele jogo, pecamos só na última bola e levamos os gols nos poucos chutes deles em campo", afirmou. A última partida do Palmeiras na temporada será no próximo domingo, contra o Atlético-PR, em Curitiba.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.