Carlos Gregório Jr/Vasco
Carlos Gregório Jr/Vasco

Valentim mantém esperança em ter Castán e Rossi no Vasco em jogo de ida da final

Os dois jogadores se recuperam de lesões musculares na coxa e correm contra o tempo para ter condições de disputar a decisão

Redação, O Estado de S.Paulo

12 de abril de 2019 | 23h34

O técnico Alberto Valentim afirmou nesta sexta-feira que ainda tem esperança de poder contar com o zagueiro Leandro Castán e o atacante Rossi, que se recuperam de lesões musculares na coxa, no confronto de ida da final do Campeonato Carioca, neste domingo, contra o Flamengo, às 16 horas, no Engenhão.

"A ideia é que aproveitemos bem os jogadores hoje (sexta) e amanhã (sábado) para treinar com bola normalmente e aí veremos (quem vai atuar)", afirmou o treinador, que vai esperar a atividade da véspera do clássico para confirmar se a dupla de jogadores reunirá condições de estar em campo contra os rubro-negros.

"Aproveito muito os treinos para decidir quem vai jogar. É pouco tempo, mas temos de aproveitar ao máximo. Quem vai começar e ser convocado vou decidir neste sábado. Estou feliz por ganhar mais opções com Maxi López e o Tiago Reis. Vamos analisar Castán, Rossi e Bruno Silva ainda. Quanto mais jogadores eu tiver, melhor", ressaltou o comandante, em entrevista coletiva.

Ao projetar o confronto de ida da decisão, Valentim exibiu preocupação com o fato de o Vasco conseguir abrir vantagem sobre o Flamengo e depois poder atuar em uma situação mais confortável na partida de volta da decisão, no próximo dia 21, no Maracanã.

"Temos de lembrar a todo momento o regulamento que o campeonato nos dá. Vamos procurar vencer para ter uma vantagem para o segundo jogo. Vamos ver o que o Flamengo vem apresentando e vamos o mais forte possível", disse o técnico.

SEM PROPOSTA DO ATLÉTICO-MG - Valentim também garantiu nesta sexta-feira que não foi procurado pela diretoria do Atlético-MG ao comentar sobre um suposto interesse em sua contratação para o lugar de Levir Culpi, demitido na última quinta-feira após a equipe de Belo Horizonte ter sido goleada por 4 a 1 pelo Cerro Porteño, no Paraguai, na noite de quarta, quando praticamente deu adeus às chances de classificação às oitavas de final da Libertadores.

E o técnico aproveitou esse questionamento para enfatizar que está feliz no Vasco e pretende continuar em busca de títulos pelo clube. "Não tenho o que comentar porque não tive proposta nenhuma. Ninguém veio conversar comigo. Eu não falo da boca pra fora que quero ser campeão com o Vasco e não só Carioca. Temos objetivos importantes no ano. Tenho contrato e quero cumprir. A diretoria tem feito esforço enorme aqui no Vasco. Não posso falar que fiquei satisfeito com a proposta (do Atlético-MG) porque nem houve", assegurou.

NA JUSTIÇA - Também nesta sexta-feira, mesmo dia em que houve uma cerimônia na sede do governo do Rio para oficializar que Flamengo e Fluminense assumirão a gestão do Maracanã por seis meses, o Vasco entrou na Justiça com um pedido de mandado de segurança para tentar anular a decisão do Estado.

Na última terça-feira, o presidente do clube de São Januário, Alexandre Campello, já havia adiantado que acionaria a Justiça por considerar que os dois rivais foram favorecidos de forma irregular. A direção vascaína defende que o ato do governo foi abusivo e ilegal, pois o acordo foi celebrado sem uma licitação, que deverá ser aberta para a escolha de um novo gestor durante o período em que o estádio será administrado por Flamengo e Fluminense. O pedido do Vasco vai ser analisado na Terceira Vara da Fazenda Pública pela juíza Mirela Esbisti.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.