Cesar Greco/Ag. Palmeiras
Cesar Greco/Ag. Palmeiras

Valentim promete atacar o Corinthians 'sem fazer loucuras'

Treinador do Palmeiras fez mistérios sobre a escalação da equipe

Gonçalo Junior, O Estado de S.Paulo

03 Novembro 2017 | 16h31

O técnico Alberto Valentim descartou adotar uma blitz ofensiva descontrolada para vencer o Corinthians, em Itaquera, no domingo. O Palmeiras precisa de um triunfo para diminuir a distância em relação ao líder - hoje é de cinco pontos (59 a 54). "A forma que gosto de trabalhar é com segurança, atacando, e não sofrer gols. Um time com equilíbrio em ambas as fases do jogo”, afirmou Valentim em entrevista coletiva na tarde desta sexta-feira na Academia de Futebol.

Dudu está perto de ser Top 3 dentre artilheiros no século

“Vamos procurar atacar, pressionar, sem fazer loucura, sem fazer que o jogo se torne uma armadilha, o que conseguimos fazer no fim contra o Cruzeiro”, completou o treinador.

No final do empate por 2 a 2 diante do Cruzeiro, o Palmeiras teve a chance de conseguir a virada, mas sofreu poucos riscos de levar o terceiro gol.

O técnico palmeirense fez mistérios sobre a escalação. Não confirmou a escalação de Willian ou Borja no ataque e também não confirmou o retorno de Mina à zaga. “Provavelmente eu terei o grupo todo à disposição. Estamos fazendo algumas variações de características, de modelo de jogo, para a gente decidir quem começa jogando”, disse Valentim.

Embora o confronto entre o líder e o vice-líder ocorra na reta final do torneio, Valentim não acredita que o título se defina neste domingo. “O que fez com que nós nos aproximássemos mais foi pensar jogo a jogo. Terminando o jogo, independente do resultado, a partida vai nos dar a condição lá na frente, mas o campeonato não acaba domingo. Com a vitória de um ou outro, as coisas ficam mais claras, mas não acaba domingo”, afirma o técnico palmeirense.

Nesta sexta-feira, apenas a primeira parte do treinamento, o aquecimento, será aberta à imprensa. O restante da atividade será fechado. 

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.