Cristina Quicler/AFP
Cristina Quicler/AFP

'O Santos está indo contra seu ídolo', diz Neymar pai sobre ação

Empresário reage ao processo que o clube move na Fifa

O Estado de S.Paulo

15 de outubro de 2015 | 17h43

Neymar Silva Santos, pai e empresário de Neymar, ressaltou que vai defender o filho no processo que o Santos encaminhou à Fifa pedindo indenização por eventuais irregularidades na transferência do jogador ao Barcelona. “É dificil dizer algo sobre isso, porque nós (Neymar pai e as empresas) estamos excluídos desses processos. Sei das acusações porque sou representante dele. Vamos defender o Neymar. Se tiver que defender o Neymar contra o Santos, vamos defender. Pelo que vejo, o Santos quer ressarcir-se, mas está indo contra o ídolo. Fazer o quê?”, afirmou o empresário em entrevista ao programa Boa Tarde Fox na tarde desta quinta-feira. 

Em maio, o Santos decidiu enviar uma demanda arbitral à Fifa por eventual quebra de contrato na venda de Neymar ao Barcelona. O clube acusa Neymar de infringir o artigo 62 do Código Disciplinar da Fifa e cita também violações ao Regulamento de Status e Transferência de Jogadores da Fifa, relacionado à quebra de contrato. O artigo prevê compensações financeiras para o clube prejudicado – o Santos estaria pedindo 55 milhões de euros - e punição de seis meses para o jogador.

Por meio de uma nota divulgada nesta quinta-feira, o clube reafirma pedido de instauração de arbitragem, mas afirma que eventuais punições dependem da Fifa. O primeiro objetivo do clube é a indenização e não a suspensão do jogador. “A apuração de eventual violação contratual e a imposição de respectivas consequências competem à Câmara de Resolução de Disputas da FIFA, de acordo com seu Regulamento. O Santos FC não detém nenhuma forma de controle sobre a FIFA, que decidirá o caso”, diz a nota do clube.

Wagner Ribeiro, empresário do jogador, rebate a versão santista e declara que há um documento de 2011, assinado pelo então presidente do clube, Luis Alvaro de Oliveira Ribeiro, que autorizaria a negociação com outros clubes. “Quem vendeu foi o Santos. Quem colocou o Juninho [Neymar] no Barcelona foi o Santos e quem deu o documento autorizando ele a negociar com outros clubes foi o Santos", diz Wagner Ribeiro.

Confira a nota oficial do Santos:

O Santos FC informou, em 29 de maio passado, haver ingressado com pedido de instauração de arbitragem diante da FIFA para apurar eventual violação contratual ocorrida na transferência do atleta Neymar Júnior para o Futbol Club Barcelona. Os fatos que envolveram essa transferência são de conhecimento público.

O Santos FC não apresentou nenhum pedido adicional à FIFA, estando em curso o procedimento arbitral tal como proposto inicialmente. O Santos FC busca somente proteger seus direitos e obter a reparação de prejuízos sofridos.

A apuração de eventual violação contratual e a imposição de respectivas consequencias competem à Câmara de Resolução de Disputas da FIFA, de acordo com seu Regulamento. O Santos FC não detém nenhuma forma de controle sobre a FIFA decidirá o caso. De acordo com as regras da FIFA, o procedimento arbitral é sigiloso e o Santos FC não irá se pronunciar sobre a arbitragem.

Tudo o que sabemos sobre:
FutebolBrasileirãoNeymar

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.