Daniel Augusto Jr/Agência Corinthians
Daniel Augusto Jr/Agência Corinthians

'Vamos parar de tomar gols em dois ou três jogos', promete corintiano Marllon

Zagueiro, titular na derrota para o Novorizontinho, prevê evolução da defesa do Corinthians

Gonçalo Junior, O Estado de S.Paulo

11 Fevereiro 2019 | 16h54

O zagueiro Marllon, titular do Corinthians na derrota para o Novorizontino, neste domingo, garante que o time vai parar de falhar defensivamente nos próximos jogos. Só pelo Campeonato Paulista, o time sofreu seis gols em seis partidas. Ele atribui os problemas na defesa ao início da temporada e à falta de entrosamento. "A gente está se conhecendo, tenho certeza de que estamos em evolução, nosso sexto jogo. Em dois ou três jogos vamos estar 100% e vamos parar de tomar gol", afirmou o defensor em entrevista coletiva na tarde desta segunda-feira no CT Joaquim Grava.

"Temos que trabalhar, não tem como explicar, trabalhamos todos os dias, fazemos específicos, treinos de bola parada, para evoluirmos", afirmou. 

O zagueiro afirma que está buscando seu espaço. Na partida de Novo Horizonte, o técnico Fabio Carille preservou seis titulares para a partida diante do Racing, quinta-feira, na estreia da Copa Sul-Americana. "Tenho trabalhado, buscado, demonstrei nas oportunidades que tive, mostrei meu trabalho. Infelizmente em alguns jogos a gente não vem bem, temos que concentrar bastante, muitos reforços, as coisas mudando um pouco, mas estamos em crescente, logo vamos melhorar e evoluir", disse o defensor de 26 anos que estava emprestado à Ponte Preta.

Embora a zaga considerada titular seja formada por Manoel e Henrique, Marllon afirma que a disputa na defesa está aberta. "Carille deixou claro que está aberto, não só a zaga, mas todas as posições. Tive oportunidade ontem de fazer bom jogo para deixar uma dúvida na cabeça dele", disse Marllon. 

O zagueiro afirma que os adversários desta semana - depois de enfrentar o Racing, o time vai receber o São Paulo em Itaquera, no domingo - não apresentam grandes diferenças para os atletas. "Todos os jogos são iguais: Novorizontino, Racing, o clássico. Fazemos o mesmo trabalho para ter um bom desempenho nos jogos. Vai ser uma semana importante", avaliou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.