Vampeta cria mal-estar no Parque São Jorge

Vampeta criou mal-estar maior do que imaginava no Parque São Jorge após as declarações na noite de domingo. O embate nos bastidores, agora, é entre aqueles que defendem a manutenção da proposta de renovação contratual do jogador com os que o querem longe do clube em 2004. Por enquanto, o primeiro grupo ainda leva vantagem. Porém, o descontentamento de conselheiros e diretores e a conseqüente pressão sobre os dirigentes são cada vez maiores. A tímida reconsideração do volante, segundo pessoas próximas ao presidente Alberto Dualib, não passou de paliativo para tentar acalmar o ambiente do grupo nos cinco últimos jogos da equipe na temporada ? quatro pelo Campeonato Brasileiro e o amistoso de sábado contra a seleção Sub-23, em São José do Rio Preto. Na verdade, como diz um velho ditado, ?a emenda saiu pior do que o soneto?. Para os que defendem a retirada da proposta de renovação, a forma encontrada pelo jogador para se acertar só piorou a situação. Ao dizer na terça-feira que voltava atrás em suas declarações apenas pelo dinheiro, o atleta, de acordo com esse grupo, só teria provocado mais antipatias internas ao enfatizar a imagem de mercenário. E dizer que não retiraria uma só palavra do que havia dito, teria realçado sua petulância. As seqüelas para os dirigentes também não foram pequenas. Além da péssima repercussão que o caso teve na opinião pública, apesar das malsucedidas iniciativas de colocar panos quentes, ficou a certeza de que o volante tem espaço e liberdade dentro do clube desproporcionais ao cargo que ocupa. ?É inadmissível um atleta se comportar da forma como ele (Vampeta) fez?, dizem alguns cardeais. Já o outro lado contra-argumenta. ?O Vampeta tem esse jeito mesmo, mas é um jogador com crédito?, costuma dizer o vice-presidente de Futebol, Antonio Roque Citadini. Preparação ? No treino de hoje, o zagueiro Marquinhos saiu mais cedo com dores no púbis, mas não deve ser problema. Já o volante Fabinho tem volta prevista apenas na próxima semana, ao lado do goleiro Rubinho.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.