Vampeta e Edílson em duelo de amigos

O confronto entre Corinthians e Cruzeiro, nesta quarta-feira, às 21h40, no Morumbi, pelas oitavas-de-final da Copa do Brasil, terá como atração extra o duelo entre os amigos e conterrâneos Vampeta, do time paulista, e Edílson, da equipe mineira. Eles atuaram juntos no Corinthians, Flamengo e seleção. Foram também adversários em outras ocasiões por clubes diferentes. Mas esta será a primeira vez que Vampeta vai encarar Edílson jogando no Corinthians. O volante completa 28 anos nesta quarta-feira, e preveniu o amigo para não estragar a festa de aniversário. "Ele me disse que vai trazer um presente de Belo Horizonte. Mas já estou avisando que se eu tiver de dar um chega para lá no Edílson durante a partida, vou esquecer amizade, que somos baianos. Não venha com graça para cima de mim, que vai levar. Não sou de bater em ninguém. Mas também não dou moleza, não", alertou Vampeta. A amizade entre eles começou mesmo no clube do Parque São Jorge, há quatro anos. Logo no início, deram uma tremenda dor de cabeça a Vanderlei Luxemburgo, na época técnico do Corinthians. Na madrugada do dia 9 de fevereiro de 1998, Edílson, em companhia de Vampeta, recém-contratado pelo Corinthians, desentendeu-se com um policial militar por estacionar irregularmente seu carro em frente a uma lanchonete na Avenida Dr. Arnaldo. Por andarem de madrugada na rua, os dois foram punidos pelo treinador, e nem viajaram com a delegação para Aracaju, onde o time enfrentaria, no dia seguinte, o Itabaiana, pela Copa do Brasil. Apesar do incidente, a união entre os dois cresceu tanto que Vampeta, mais tarde, deixou o Corinthians para voltar ao exterior em solidariedade a Edílson. O atacante havia sido vítima de uma tentativa de agressão por parte de alguns integrantes da Gaviões da Fiel, no estacionamento do Parque São Jorge, como conseqüência da desclassificação do time nas semifinais da Copa Libertadores de 2000 para o Palmeiras. Posteriormente, os dois voltaram a se encontrar no Flamengo, no ano passado. Vampeta e Edílson vivem agora a expectativa da convocação da seleção para o amistoso contra a Iugoslávia, dia 27, em Fortaleza, e com isso esperam aumentar a possibilidade de disputarem a Copa do Mundo. Alheio ao clima de "rivalidade" entre os dois amigos, o técnico do Corinthians, Carlos Alberto Parreira, quer a vitória sem permitir que o adversário faça gols, por causa do regulamento da competição. "Temos de ir a Belo Horizonte em grande vantagem", ressaltou o treinador, que ficou sabendo nesta terça-feira da antecipação do jogo com a Ponte Preta, pelo Rio-São Paulo, de domingo para sábado, às 16 horas, no Morumbi.

Agencia Estado,

12 Março 2002 | 18h14

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.