Vampeta feliz por acertar previsão

Gil fez dois gols, encantou com dribles desconcertantes. Liédson levantou a torcida das arquibancadas com seu futebol irreverente e um lindo gol de cabeça. Mas não se pode negar a importância de Vampeta nessa goleada sobre o Palmeiras. Não só por seu trabalho no campo, fazendo assistências importantes que resultaram em dois dos quatro gols no primeiro tempo, mas principalmente pelo que ele representa fora de campo. Na sexta-feira, Vampeta foi o único a reconhecer que o Corinthians era o grande favorito para vencer o clássico. "Nem poderia ser diferente. Um time bom como o Corinthians e que ainda joga por dois resultados, só pode ser visto como favorito", argumentou o volante. Vampeta é um corintiano assumido. Daqueles que não jogariam de jeito nenhum no Palmeiras. Ele mesmo já cansou de dizer isso. E como corintiano, queria essa vitória. Vampeta é um dos remanescentes daquele time que foi eliminado duas vezes na Libertadores pelo arquiinimigo, em 99 e em 2000. Ele mesmo perdeu um dos pênaltis que desclassificou o Corinthians em 99. Por tudo isso, vencer neste sábado era uma questão pessoal. "Tenho de admitir que a forma como fomos eliminados na Libertadores ficou atravessado na garganta. As duas vezes nos pênaltis. É duro assimilar. Além disso, é muito gostoso vencer o Palmeiras, independentemente o que vale o jogo". Na concentração, Vampeta procurou passar um pouco de sua experiência especialmente aos jogadores que chegaram ao Corinthians no começo do ano. Contou histórias e mais histórias, falou um pouco sobre a relação de extremos com a torcida corintiana e resumiu o que significa um título ganho pelo Corinthians. "É quase uma Copa do Mundo. Não se compara a nenhum outro clube". Em campo, Vampeta honrou o que disse. Comandou o time do princípio ao fim. Marcou com precisão, fez assistências importantes, cobrou seriedade dos companheiros no intervalo. "Um time como o Palmeiras nunca se entrega, independentemente do resultado parcial". Um de seus duelos no clássico foi contra Zinho. O meia corintiano entrou em campo dizendo que jogaria para marcar Vampeta. Na prática, o que se viu foi o inverso. Vampeta não deixou Zinho andar em campo. O volante corintiano tomou conta do meio-de-campo e conduziu a sua equipe à vitória. No segundo tempo, deu até chutão para fora quando foi preciso, numa dividida com Zinho. Em outra jogada, dividiu de carrinho com Tiago Gentil. "Comigo não tem essa de só jogar bonito. O que eu quero é vencer". Se era a vitória que Vampeta queria, conseguiu. Com o resultado, o Corinthians está na final e deve enfrentar um outro velho rival: o São Paulo. Se alguém perguntar a Vampeta quem será o campeão, a resposta está na ponta da língua. "O Corinthians, claro".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.