Vampeta provoca e assume favoritismo

"Somos os favoritos, sim!" A frase, que vai de encontro aos tradicionais discursos politicamente corretos é do volante corintiano Vampeta. Coube ao baiano a responsabilidade de ?temperar? a decisiva partida de amanhã, contra o Palmeiras. Quem não fez coro foi o técnico Geninho. "Não, não, não. Isso é coisa de Vampeta", afirmou, sem conseguir esconder o discreto sorriso diante do posicionamento incomum de seu atleta. "Mas o Vampeta, com esse jeitão, acaba tendo carta branca para brincar com todo mundo. Ninguém leva ele a mal." Vampeta não dá ouvidos. E continua..."decidir contra o Corinthians é sempre uma pedreira. Ainda mais quando o time joga pelo empate." Descontraído e inspirado, o pentacampeão mundial com a seleção brasileira não economizou no verbo, sobretudo quando falava da rivalidade entre os clubes. "Tem sempre um gostinho especial (vencer o Palmeiras). Sinto um prazer muito grande em ganhar. Mas quando perdemos é horrível agüentar as gozações", comentou. Enquanto Vampeta se divertia, Geninho procurava restringir-se às análises técnicas sobre o confronto. De acordo com o treinador, o Corinthians entra no campo orientado pela filosofia mais elementar do futebol. "Precisamos ter um meio termo. Quando não estivermos com a bola, precisamos marcar e quando a recuperarmos, atacar", explicou. "É básico!" A chance de escalar Jorge Wagner, Liedson e Gil pela primeira vez anima o técnico corintiano. Porém, não o empolga. "É uma opção muito boa. Mas precisamos ver como vai funcionar. A expectativa é excelente", afirmou. No meio, Fabrício entra no lugar do suspenso Fabinho. Mesmo com a vantagem do empate, a vitória também é importante para o Corinthians. Só com esse resultado, somado a um empate do São Paulo domingo, contra o Portuguesa Santista, o time do Parque São Jorge chegaria à final com a vantagem de jogar por dois resultados iguais. Ambos tem 17 pontos. Mas o saldo de gols são-paulino é melhor: 16 contra 6.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.