Van Basten quer Holanda igual ao Barcelona

O técnico Marco Van Basten quer ver a Holanda jogando da mesma maneira que o Barcelona, comandado pelo amigo Frank Rijkaard, seu ex-parceiro no Milan e na própria seleção. Quem o ?entrega? são os jogadores Van Bronckhorst e Van Bommel, titulares das duas equipes.?Marco pede para que seja tudo igual: o 4-3-3, a movimentação constante, o toque de bola?, diz o lateral Van Bronckhorst, chamado de "Gio" pelos espanhóis. ?É o estilo de jogo que sempre foi usado pela Holanda, inclusive quando Van Basten e Rijkaard eram jogadores, e que tem dado certo no Barcelona?, emenda Van Bommel.A idéia é a mesma, mas os resultados, não. A Laranja há muito tempo deixou de ser Mecânica para se tornar ?Econômica?. Passou invicta pelas Eliminatórias e é a terceira colocada no ranking da Fifa, mas não tem empolgado os torcedores devido à escassez de gols - foram só cinco nas últimas quatro partidas. E isso apesar de contar com um ataque de qualidade: Van Persie (Arsenal), Van Nistelrooy (Manchester United) e Robben (Chelsea), todos de times de ponta da Inglaterra.O que estaria faltando para a Laranja Mecânica voltar a produzir gols em massa? O meia Van Bommel responde com uma expressão em português que virou moda na Europa: ?Falta jogo bonito?. Van Bronckhorst concorda. ?Nossa seleção tem qualidade, mas, no Barcelona, temos Ronaldinho Gaúcho e Messi, que são os dois melhores do mundo.?Questão de tempoO lateral aponta outro fator para explicar o mau rendimento do setor ofensivo: ?Falta mais tempo para treinamento. No Barcelona, estamos sempre juntos, fica fácil. Na seleção, nos reunimos há duas semanas.? Van Bronckhorst, com 31 anos, e Van Bommel, com 29, são dois dos jogadores mais experientes de uma seleção rejuvenescida por Van Basten.?Temos muitos atletas com idade para jogar o Sub-21?, diz Gio. ?Esta é uma seleção que será muito forte em dois ou quatro anos.? O próprio Van Basten tem dito isso para justificar o afastamento da seleção de alguns ?medalhões?, como Seedorf, Davids e Kluivert.Aos 42 anos, Van Basten quer fazer um time para o futuro. Ele próprio ainda é um iniciante na profissão. ?É só o segundo trabalho dele!?, lembra Van Bronckhorst. ?O primeiro foi com o time B do Ajax. Em seguida, já estava na seleção. Trata-se um ídolo para todos os jogadores aqui e que precisa de tempo para trabalhar, porque todos sabem de sua competência?, emenda o lateral-esquerdo do Barça.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.