Arnd Wiegmann/Reuters
Arnd Wiegmann/Reuters

Van Basten relata dor por lesões no pé: 'fui do nível mais alto do futebol ao mais baixo no pessoal'

Ex-atacante lança biografia que conta sobre problemas que o levaram a se aposentar cedo do futebol

Redação, Estadão Conteúdo

04 de novembro de 2020 | 20h22

Marco van Basten foi um dos grandes centroavantes de sua época no futebol, mas acabou se aposentando do esporte precocemente, por conta de diversos problemas que teve no tornozelo. O ex-jogador lançou uma biografia chamada 'Basta. Minha vida, Minha verdade', da qual trechos foram publicados no jornal inglês The Guardian. Neles, o atacante relata toda a dor que tinha por conta das lesões (e ainda tem, aos 56 anos), dizendo ter ido do nível mais alto no futebol ao mais no pessoal.

"Tudo veio abaixo porque havia muitíssima dor e problemas. Pode-se dizer que os últimos cinco anos concentrei toda minha carreira mas é que estava mancando depois de todas as operações. Não podia fazer nada sem dor e os médicos me diziam que não podiam me ajudar", relatou Van Basten.

Um relato em especial demonstra a dificuldade pela qual o atacante passava. "Era meia-noite em 1994 e me lembro de ter que me arrastar da cama ao banheiro e para esquecer a dor contava os segundos que levava no trajeto. O umbral da porta era o pior porque teria que passar sem tocar porque o mínimo roçar me fazia morder os lábios para não gritar. Nunca cheguei a ser mais rápido que 120 segundo...", contou.

Segundo Van Basten, a primeira lesão foi em 1986. "Foi naquele mês de dezembro e nunca me recuperei. Johan (Cruyff, então técnico do Ajax) falou com o médico e foi dito a ele que eu tinha problema mas que não pioraria e eu poderia jogar. Eu já tive aquela sensação de algo não ia bem mas fiz um trato com ele que me disse que poderia saltar os treinos e alguma competição, mas teria que estar de qualquer jeito na Liga dos Campeões", descreveu.

Depois do Ajax, Van Basten ainda jogou no Milan. Ao longo da carreira, venceu três vezes o Campeonato Holandês, três vezes o Italiano, duas vezes a Liga dos Campeões e ganhou uma Eurocopa pela seleção holandesa. Por isso, apesar da carreira ter sido curta, durando apenas 1982 a 1993, o ex-atacante se diz satisfeito com o que alcançou.

"Tenho bons filhos, dois netos, uma boa esposa e tenho meus negócios além de trabalhar para a televisão falando de futebol. Estamos sãos e estou aproveitando a vida ainda que limitado. Não posso jogar futebol ou tênis mas sim o squash e sou grato por isso", afirmou Van Basten sobre a vida atual.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.