Nabor Goulart/AP
Nabor Goulart/AP

Vanderlei Luxemburgo pede para Grêmio voltar a jogar no Olímpico

Treinador criticou gramado do estádio após derrota para o Huachipato em Porto Alegre

Agência Estado,

15 de fevereiro de 2013 | 10h33

PORTO ALEGRE - O gramado ruim da Arena Grêmio foi apontada pelo técnico Vanderlei Luxemburgo pela derrota do Grêmio por 2 a 1 para o Huachipato, do Chile, na noite de quinta-feira, pela primeira rodada do Grupo 8 da Libertadores. Para o treinador, o time precisa abandonar o seu novo estádio temporariamente e voltar a jogar no Olímpico.

"O gramado não está bom, então vamos jogar no Olímpico durante um mês. Aí a OAS e o Grêmio podem arrumar o gramado. Depois disso, se o time não jogar nada pode mandar o técnico embora", pediu Luxemburgo, que já havia criticado anteriormente as condições do gramado da Arena Grêmio, ressaltando que desde a inauguração era visível o problema.

"O gramado da Arena não tem condições. Aquele último jogo não deveria ter existido. Se viu na inauguração que não tinha condições", afirmou Luxemburgo, que apontou o gramado irregular como a razão para a falta de jogadas bem trabalhadas pelo Grêmio diante do Huachipato. "Em jogo da Libertadores, a porrada come. Acaba criando dificuldades", disse.

O presidente Fábio Koff reconheceu que o novo estádio do Grêmio está com problemas no gramado, mas ressaltou que voltar ao Olímpico não é uma decisão simples de ser tomada. "Não é uma decisão fácil, temos que conversar com a Arena Porto-Alegrense e a Conmebol", disse.

Koff revelou que as reclamações dos jogadores sobre o gramado são constantes e anteriores ao jogo de quinta. "Os atletas já tinham reclamado do piso, disseram que a bola quica e você não sabe para onde vai", disse.

O dirigente, porém, ressaltou que não foi apenas o gramado que atrapalhou o Grêmio, mas também a postura da equipe diante do Huachipato. "O Grêmio não entrou com espírito de Libertadores", disse. "O Grêmio foi muito badalado pelas contratações e isso tirou um pouquinho da determinação necessária nesse tipo de competição", completou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.